Câncer de duto biliar: tipos, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento, complicações

O câncer do ducto biliar também é conhecido como adenocarcinoma que cresce no próprio ducto biliar. Os ductos biliares são basicamente um grupo de pequenos tubos finos que transportam uma forma de fluido chamada bile do fígado e da vesícula biliar até o intestino delgado. A bile ajuda na digestão da comida.

As diferentes partes do sistema de ductos biliares são nomeadas de forma diferente. No fígado, eles são conhecidos como ductos que transportam bile do fígado e formam grupos que são chamados de ductos. Além disso, esses dutos se combinam para formar dutos maiores esquerdo e direito. Todos esses ductos no fígado são conhecidos como ductos biliares intra-hepáticos.

Os ductos hepáticos presentes no lado esquerdo e direito fazem uma saída do fígado para criar os ductos hepáticos comuns em um local específico que é chamado de hilo. A vesícula biliar é principalmente um órgão que armazena o ducto biliar. O ducto hepático comum se une à vesícula biliar através de um ducto chamado ducto cístico. Essa combinação é chamada de ducto biliar comum que percorre certas partes do pâncreas antes de se unir ao ducto pancreático que se esvazia na primeira seção do pâncreas, chamada duodeno. O câncer do ducto biliar pode ocorrer em qualquer uma dessas regiões do ducto biliar.

 

Tipos de câncer biliar

Câncer de ducto biliar pode ser amplamente classificado em dois tipos diferentes. Eles são câncer extra-hepático do ducto biliar e câncer intra-hepático do ducto biliar.

Câncer de ductos biliares extra-hepáticos:

O câncer extra-hepático do ducto biliar cresce a partir da camada externa do fígado e é transportado para o ducto biliar que está presente no fígado. A ingestão excessiva de álcool, esteatose hepática, obesidade, hepatite C e cirrose hepática pode levar à ocorrência de câncer extra-hepático. Tem duas categorias com base na localização da sua origem. Eles são:

  • Câncer de ductos biliares da região periilar: Este é o câncer mais comum do ducto biliar que começa apenas na parte externa do fígado, a área onde os ductos hepáticos direito e esquerdo se conectam. Também conhecida como Hilar Cancer ou Klatskin Tumors, a doença, na maioria das vezes, começa a crescer na região peri-hilar no ducto biliar.
  • Câncer de duto biliar da região distal: essa forma cresce dentro dos ductos biliares, logo abaixo da região peri-hilar e próxima ao intestino delgado. É um tipo raro que confunde os cirurgiões para identificar se o câncer se originou no pâncreas ou no ducto biliar.

Cânceres de Ductos Biliares Intra-hepáticos:

O câncer intra-hepático do ducto biliar origina-se na parte interna do fígado, onde numerosos pequenos ductos biliares se conectam para constituir o ducto biliar hepático direito e esquerdo. Apenas 20% das células malignas começam na região intra-hepática e às vezes confundem os médicos com o câncer hepatocelular que cresce nas próprias células do fígado.

Sintomas para o câncer do ducto biliar

Icterícia:

A excreção da bílis é suspensa quando o duto é bloqueado. No entanto, não é necessário que a bílis esteja bloqueada devido às células cancerígenas. Pode ser bloqueado por outras razões, como a pedra da vesícula biliar ou um tecido cicatricial.

A icterícia é um sintoma muito comum e primário para pacientes com câncer de ducto biliar. Cria uma alta contagem de bilirrubina no sangue, fazendo com que a pele e o branco dos olhos fiquem amarelados. A bilirrubina também muda a cor da urina para a cor escura e torna a passagem do intestino pálida e perturbada.

Deve-se ter em mente que a icterícia não é apenas um sintoma de câncer, mas também muitas outras doenças. Portanto, o médico deve realizar vários outros testes também, finalmente, diagnosticar o câncer.

Outros sintomas do câncer do ducto biliar são:

  • Perda de peso sem causa proeminente
  • Febre repetida
  • Irritação da pele causada pela acumulação de bílis
  • Perda de apetite
  • A dor abdominal pode não ser experimentada em um estágio inicial. Somente se as células cancerígenas se espalharem, a dor aparecerá.

Fatores de Risco para o Câncer de Duto Biliar

Era:

60% das vítimas de câncer do ducto biliar são da idade de 65 anos e acima. O câncer do ducto biliar não é uma doença comumente diagnosticada entre crianças ou jovens.

Obesidade:

Excesso de peso e obesidade aumentam as chances de desenvolver células cancerígenas do ducto biliar.

Genética:

Uma história familiar de câncer de ducto biliar aumenta o risco de câncer de ducto biliar em um paciente. Mesmo depois disso, as chances não são muito altas porque essa doença é rara.

Estilo de vida como fator de risco para o câncer do ducto biliar:

A ingestão excessiva de álcool pode causar cirrose no fígado. Isso aumenta ainda mais o risco de câncer do ducto biliar. Fumar também pode arriscar a causa do câncer do ducto biliar. Expor-se a certos produtos químicos como nitrosaminas, dioxinas, amianto, bifenilos policlorados (PCBs), radônio e thorotrast pode aumentar o fator de risco de desenvolver células cancerígenas no ducto biliar.

Outras Condições como Fator de Risco para o Câncer de Duto Biliar:

Algumas condições como colite ulcerativa, cálculos no ducto biliar e colangite esclerosante primária causam inflamação dos ductos biliares e cicatrizes, o que pode aumentar o fator de risco para o câncer do ducto biliar.

Doenças que ocorrem no fígado ou no ducto biliar podem ser provadas como perigosas para dar às células cancerígenas uma chance de se desenvolverem. Qualquer doença nessas áreas que não sejam tratadas por um longo período aumenta o fator de risco.

Certas infecções parasitárias são a chave para uma doença chamada derrame de fígado. Isso afeta diretamente a bile e pode causar câncer.

Diagnóstico do câncer do ducto biliar

Quando a icterícia aparece, o médico sugere vários exames que indicam o câncer. Até mesmo a história tem um papel vital aqui, porque o abuso de substâncias como o álcool e as drogas pode ser uma causa de câncer no ducto biliar. Além disso, perda de apetite, perda de peso, perda de energia, sangramento, etc., são os sintomas. A sensibilidade no quadrante superior direito do abdômen também é detectada durante o exame físico.

Exames de sangue são feitos para verificar a função do fígado. O médico confirma o diagnóstico com o relatório de biópsia obtido da amostra de tecido. Seguido com isso, USG, ressonância magnética e tomografia computadorizada são feitas para determinar a estrutura da vesícula biliar, ductos biliares e o tamanho e localização do tumor. A colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) é realizada com uma câmera de fibra óptica para testar o ducto biliar quando entra no duodeno.

O risco de câncer do ducto biliar depende de seu estágio variando de 0 a 4. O estágio 0 do câncer do ducto biliar indica ausência de tumor, enquanto o estágio 1 do câncer do ducto biliar sugere tumor local que ainda não se espalhou para outras áreas. Estágio 4 do câncer do ducto biliar é uma condição séria em que há um crescimento significativo no tumor localmente, bem como nos gânglios linfáticos e nas outras áreas. A resposta do estágio crítico geralmente está na cirurgia. Se a cirurgia for bem sucedida, a taxa de sobrevivência é alta.

Tratamento para o câncer do ducto biliar

Um paciente com câncer de ducto biliar pode ser tratado de várias maneiras. Os três tipos padrão são:

Cirurgia:

  • O ducto biliar está sendo removido parcialmente se o tumor estiver apenas no ducto biliar.
  • Uma parte do fígado onde as células cancerosas são encontradas é removida, também conhecida como hepatectomia parcial.
  • Whipple procedimento onde uma parte do estômago e intestino delgado, área superior do pâncreas e do ducto biliar é removido.

Terapia de radiação:

Na radioterapia para o câncer do ducto biliar, radiação alta ou raios-x são usados ​​para matar as células cancerígenas ou impedi-las de crescer e se espalhar.

Quimioterapia para o câncer do ducto biliar:

Em quimioterapia para câncer do ducto biliar, a droga é injetada diretamente na veia ou através de pílulas. Quando a droga é injetada, ela se mistura com o sangue e trata as células cancerosas por todo o corpo. A quimioterapia interrompe o crescimento das células e impede a disseminação para outras partes.

Uma quimioterapia sistemática é um tratamento oferecido ao paciente metastático ou para pacientes cujo câncer de ducto biliar é recorrente.

Inserção de Stent:

A inserção do stent é uma cirurgia que amplia e remove os bloqueios no ducto biliar. Reduz a dor abdominal, coceira e pele amarelada. Um tubo oco, ou seja, um stent é usado para manter o duto aberto. O tubo ou o stent é inserido através da garganta chamada endoscopia ou uma incisão. Às vezes, o stent também fica bloqueado, o que sugere uma substituição do stent.

Pesquisas extensivas e ensaios clínicos são realizados com os pacientes em todo o mundo para descobrir melhores tratamentos. O corpo humano reage e responde a diferentes tratamentos de diferentes maneiras. No entanto, os médicos fornecem instruções rigorosas para acompanhamento durante o tratamento do câncer, que não devem ser ignorados a qualquer custo.

Complicações no câncer do ducto biliar

O bloqueio no ducto biliar pode contribuir para a infecção do sistema biliar. O câncer pode destruir as células do fígado que podem levar a cicatrizes e cirrose do fígado e colangite esclerosante. Estes são sinais de risco eminentes em pacientes com câncer de ducto biliar.

Conclusão

Cuidados especiais devem ser tomados para aderir ao tratamento recomendado. É muito essencial não ignorar os sintomas do câncer do ducto biliar se for observado para que a condição possa ser diagnosticada o mais cedo possível. Quanto mais cedo o diagnóstico, melhor é o resultado do tratamento e a taxa de sobrevivência.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment