Câncer

Colangiocarcinoma: Tipos, estadiamento, diagnóstico

O colangiocarcinoma, um câncer do ducto biliar, é uma forma rara de câncer. É um adenocarcinoma, pois o início da doença é quase sempre do revestimento do ducto biliar. A principal função do ducto biliar é transportar o líquido biliar para o intestino delgado, o que ajuda na digestão de gorduras e lipídios. A parte superior do ducto biliar encontra-se no fígado, a parte do meio está ligada à vesícula biliar , enquanto a parte inferior entra na parte inicial do intestino delgado conhecida como duodeno. O câncer no ducto biliar pode começar em qualquer uma dessas partes e pode se espalhar para as outras regiões e, portanto, é classificado de acordo. Vamos dar uma olhada nos tipos, estágios e diagnóstico do colangiocarcinoma.

Três formações mais conhecidas ou tipos de colangiocarcinoma que afeta o ducto biliar eo fígado dos pacientes inicialmente é a seguinte:

  • Se o tumor cresce no ducto biliar dentro do fígado, é conhecido como colangiocarcinoma intra-hepático.
  • Se o tumor cresce no ducto biliar, mas fora e um pouco longe do fígado, é conhecido como colangiocarcinoma extra-hepático ou câncer do ducto biliar distal.
  • Se o tumor cresce no ponto nodal onde o ducto biliar sai do fígado, a condição é conhecida como colangiocarcinoma peridilar ou câncer do ducto biliar Hilar.

Além dos três tipos comuns de colangiocarcinoma, existe uma quarta condição que normalmente ocorre no ducto hepático comum conhecido como tumor de Klatskin.

Entender o “estágio” do câncer é muito importante para os médicos que os ajudam a decidir sobre o tratamento adequado. Câncer normalmente se espalha através da corrente sanguínea ou sistema linfático. O estadiamento do colangiocarcinoma é possível pelo exame dos linfonodos ligados ao sistema biliar. O estadiamento TNM é a forma mais comum de escalonar o estado atual do colangiocarcinoma no corpo do paciente. TNM significa tumor, nodo e metástase, respectivamente. Aqui estão breves descrições desses parâmetros realmente importantes em diferentes tipos de colangiocarcinoma:

  • Colangiocarcinoma intra-hepático ou câncer do ducto biliar:

Nesse tipo de câncer, o estágio T do câncer pode ser resumido da seguinte forma:

  • TX – O tumor não pode ser avaliado
  • T0 – Nenhuma evidência é encontrada para tumor primário
  • Tis – nesta fase, o tumor é formado apenas dentro das camadas mais internas de revestimento em um ducto biliar.
  • T1 – Um tumor que é formado dentro do ducto biliar, mas pode ter crescido mais profundamente na parede do ducto.
  • T2a – O tumor cresceu além da parede do ducto biliar para o vaso sanguíneo mais próximo.
  • T2b – Presença de mais de dois marcadores tumorais nessa etapa.
  • T3 – Nesta fase, duas possibilidades ocorrem, o tumor pode crescer para dentro do revestimento externo do fígado chamado peritônio ou pode crescer em quaisquer órgãos próximos apenas fora do fígado, como estômago, intestino, parede abdominal ou o diafragma.
  • T4 – Nesta fase, o tumor se espalha para o fígado crescendo ao lado dos ductos biliares.

N estágios de colangiocarcinoma intra-hepático ou câncer intra-hepático do ducto biliar podem ser narrados da seguinte forma:

  • NX – Linfonodos presentes próximos não podem ser avaliados
  • N0 – Representa que não há células cancerígenas presentes nos linfonodos.
  • N1 – Descreve que existem células cancerígenas presentes nos linfonodos.

M fases de colangiocarcinoma intra-hepático ou câncer intra-hepático do ducto biliar podem ser narradas da seguinte forma:

  • MX – Metástases não podem ser avaliadas
  • M0 – Representa que o câncer não é encontrado em tecidos e órgãos situados a uma distância do ducto biliar.
  • M1 – Marca a disseminação de células cancerosas nas outras partes do corpo a uma distância do ducto biliar.
  • Colangiocarcinoma Peridilar ou Câncer do Canal Biliar Perihilar:

Neste tipo de câncer, o estágio T do colangiocarcinoma periarilar ou do câncer do ducto biliar peridilar pode ser resumido da seguinte forma:

  • TX – A extensão do tumor não é possível devido à disponibilidade incompleta de informações.
  • T0 – Evidência de tumor primário não encontrado.
  • Tis – Nesta fase, o tumor é apenas dentro das camadas internas das células que revestem o ducto biliar.
  • T1 – Nesta fase, o tumor cresce mais profundamente nas paredes do ducto biliar, ou seja, a camada de tecido muscular ou fibroso.
  • T2a – Nesta fase, o tumor cresce para os tecidos adiposos presentes no ducto biliar.
  • T2b – Nesta fase, o tumor cresce nos tecidos do fígado adjacentes ao ducto biliar.
  • T3 – Nesta fase, o câncer cresce na artéria hepática do fígado.
  • T4 – Esta etapa é marcada por qualquer uma dessas condições –
    • O tumor cresce em um dos principais vasos sanguíneos do fígado, como a artéria hepática comum ou veia porta, ou
    • O câncer se espalha nos principais vasos sanguíneos,
    • O câncer se espalha em ambos os lados do fígado.

Os N estágios do colangiocarcinoma peridicular ou do câncer do ducto biliar peridilar são narrados aqui:

  • NX – Incapaz de avaliar os gânglios linfáticos próximos.
  • N0 – Isso significa que não há células cancerosas nos linfonodos.
  • N1 – Isso significa que existem células cancerosas nos linfonodos próximos, como os próximos ao ducto biliar comum, à artéria hepática, à veia porta e aos ductos císticos.
  • N2 – Este estágio significa que existem células cancerígenas nos gânglios linfáticos mais distantes do ducto biliar.

Os estágios M do Colangiocarcinoma Peridário ou Câncer do Canal Biliar Perihilar podem ser qualquer um destes dois:

  • M0 – Neste estágio, nenhum sinal de células cancerígenas é detectado.
  • M1 – Nesta fase, o câncer se espalha em outras partes do corpo a uma distância do ducto biliar dos principais vasos sanguíneos, como a aorta, a veia cava, etc.
  • Colangiocarcinoma extra-hepático ou câncer do ducto biliar distal

Os estágios T do Colangiocarcinoma Extra-Hepático ou Câncer do Ducto Biliar Distal podem ser qualquer um dos estágios abaixo mencionados:

  • TX – A extensão do tumor não é identificável.
  • T0 – Nenhuma evidência de tumor primário encontrada.
  • Tis – Nesta fase, o tumor cresceu apenas na camada mais interna do ducto biliar.
  • T1 – Nesta fase, o tumor canceroso cresceu nas paredes do ducto biliar.
  • T2 – O tumor cresce através das paredes do ducto, mas não nas outras estruturas próximas.
  • T3 – Nesta fase, o tumor atinge os órgãos próximos, como vesícula biliar, pâncreas, intestino delgado, duodeno etc.
  • T4 – Esta fase é marcada pela disseminação do câncer para um ou ambos os principais vasos sangüíneos, a artéria celíaca e a artéria mesentérica superior.

Os N estágios de colangiocarcinoma extra-hepático ou câncer de ducto biliar distal podem ser qualquer um dos seguintes:

  • NX – Linfonodos não puderam ser avaliados.
  • N0 – Isso significa que não há células cancerígenas nos linfonodos.
  • N1 – Isso significa que o câncer se espalhou para os linfonodos.

Os estágios M do colangiocarcinoma extra-hepático ou do câncer do ducto biliar distal são alguns desses dois:

  • M0 – Isso significa que não há sinais de câncer nos tecidos e órgãos a uma distância do ducto biliar.
  • M1 – Isso mostra que as células cancerosas se espalharam para outras partes do corpo a uma certa distância do ducto biliar.

Como o colangiocarcinoma é diagnosticado?

A seguir, a forma mais moderna de técnicas de diagnóstico usadas na detecção dessa doença mortal do colangiocarcinoma:

  • Marcadores Tumorais para o Diagnóstico do Colangiocarcinoma: Os marcadores mais comumente usados ​​nessa doença são o antígeno carboidrato (CA 19-9) e o antígeno Carcinoembrionário (CEA). CA 19-9 normalmente possui uma sensibilidade de 67% -89% e uma especificidade de 85% -98% com níveis acima de 100 U / ml. O CEA sozinho não é usado para elevar a sensibilidade e especificidade do colangiocarcinoma. Estudos demonstraram que 100% de sensibilidade e especificidade são possíveis quando o CEA é superior a 5,2 ng / ml utilizado em combinação com CA 19-9 superior a 180 U / ml.
  • Ultrassonografia: O primeiro exame que um oncologista sugere para um paciente suspeito é uma ultrassonografia abdominal. O colangiocarcinoma intra-hepático é geralmente detectável com ultrassonografia, mas outros tipos de colangiocarcinoma, como colangiocarcinoma extra-hepático, normalmente permanecem indetectáveis ​​nos estágios primários.
  • Ressonância magnética (MRI): colangiopancreatografia por ressonância magnética ou CPRM é uma forma avançada de ressonância magnética para diagnosticar o colangiocarcinoma. A CPRM é considerada uma das melhores escolhas no diagnóstico de colangiocarcinoma devido à sua imagem multi-planar, alta resolução de contraste e capacidade de determinar as extensões biliar, parenquimatosa e vascular.
  • Tomografia computadorizada (TC): A tomografia computadorizada  (TC) é outra forma de sistema de imagem externa capaz de mostrar a formação de uma massa tumoral, espessamento da parede do ducto biliar, dilatação do ducto biliar ou formação de tecidos intraductais em exofítica, infiltrativa e colangiocarcinomas polipóides, respectivamente.
  • Colangiografia: Nesta forma de diagnóstico de colangiocarcinoma, fluidos fluorescentes são usados ​​para criar imagens contrastantes da árvore do ducto biliar para apontar anormalidades. Existem dois tipos de colangiografia que são feitos dependendo da condição do paciente, viz. Colangiografia percutânea trans-hepática (PTC) e colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).
    • CPRE: CPRE ou colangiopancreatografia retrógrada endoscópica é uma técnica moderna que auxilia na endoscopia e na fluoroscopia para diagnosticar e tratar certos cânceres do ducto biliar. O endoscópio é primeiro introduzido no estômago e no duodeno, onde, através do contraste radiográfico, é examinada a condição da árvore do ducto biliar.
    • PTC: colangiografia trans-hepática percutânea (PTC) é outra técnica para diagnosticar as obstruções do ducto biliar e câncer. Neste método, a anestesia local é dada no lado direito do abdômen e, em seguida, uma agulha é inserida através da pele no fígado. Um corante fluorescente é então injetado nos ductos biliares do fígado, onde imagens de raios-x são tomadas para diagnosticar o bloqueio e anormalidade nos dutos. Uma amostra de tecido também pode ser coletada para fazer uma biópsia para analisar a malignidade. Antibióticos pré e pós-procedimento são administrados para evitar infecções e também o paciente é mantido para observação durante a noite.

O tratamento do colangiocarcinoma depende do tipo e estágio da doença identificados a partir do diagnóstico. Quanto mais cedo o diagnóstico de colangiocarcinoma é feito, melhores são as chances de sobrevida em 5 anos.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment