Síndrome mielodisplásica pode ir por conta própria?

A medula óssea é uma parte esponjosa que está presente dentro dos ossos dos humanos. Esta parte esponjosa é responsável pela produção de células estaminais. Essas células-tronco são basicamente células sanguíneas imaturas. Essas células-tronco imaturas tornam-se células sanguíneas maduras.

Na síndrome mielodisplásica, essa capacidade do corpo de converter células-tronco sanguíneas imaturas em células sanguíneas maduras é perdida. Devido a isso, há a presença de muitas células sanguíneas imaturas, como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Estas células sanguíneas imaturas não são capazes de desempenhar normalmente a sua função e, consequentemente, os sintomas resultam.

Não, a síndrome mielodisplásica nunca pode desaparecer sozinha. Uma vez diagnosticada, a doença permanece para sempre até a morte. Opções de tratamento de suporte podem ser usadas para facilitar a vida e aumentar a expectativa de vida do paciente. Não há cura para a síndrome mielodisplásica.

O cuidado de suporte para esta doença inclui:

  • Terapia transfusional
  • Uso de agentes que estimulam a eritropoiese
  • Terapia antibiótica

O tratamento de suporte é útil para ajudar a aliviar os sintomas da doença e também ajuda a melhorar a qualidade de vida do paciente. Cuidados de suporte não curam ou retardam a progressão da doença, é apenas um tratamento paliativo. A fim de retardar a progressão da doença, a terapia medicamentosa é usada.

Terapia de Transfusão:

A terapia transfusional aqui se refere à transfusão de sangue. Neste o sangue é transfundido para o paciente para substituir todas as células do sangue que foram destruídas devido a esta desordem. Diferentes componentes do sangue podem ser administrados pelos glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas, dependendo do tipo de células que apresentam baixos níveis.

Quando o paciente apresenta sintomas de anemia (glóbulos vermelhos reduzidos), como cansaço o tempo todo, falta de ar , fadiga fácil, apenas transfusões de glóbulos vermelhos nesses pacientes. Se os sintomas de plaquetas baixas, como hematomas fáceis, aparecerem pontos vermelhos sobre o corpo, somente as plaquetas serão transfundidas. Da mesma forma, apenas as células requeridas são transfundidas para o paciente.

Um efeito colateral da transfusão de sangue é a toxicidade do ferro. Resulta devido à deposição extra de ferro no corpo devido a transfusões repetidas. Isso pode ser tratado com a ajuda da terapia de quelação de ferro. Esta terapia ajuda a eliminar ferro extra que se acumulou nas células. (2)

Usando agentes que estimulam a eritropoiese:

A eritropoiese é um processo pelo qual os glóbulos vermelhos são fabricados no corpo. Os agentes estimuladores da eritropoiese (ESAs) são úteis para aumentar a quantidade de glóbulos vermelhos maduros.

Terapia Antibiótica:

Diferentes antibióticos são usados ​​para tratar as infecções com as quais o paciente está acometido. (2)

Diagnóstico da Síndrome Mielodisplásica

Abaixo dos exames e procedimentos de exame, são usados ​​para diagnosticar a síndrome mielodisplásica:

História. O paciente deve ser questionado sobre suas doenças anteriores se houver histórico de queixas semelhantes no passado.

Exame físico. O paciente deve ser examinado quanto à presença de sinais dessa doença; outros sinais, se presentes, também devem ser verificados, se houver possibilidade de qualquer outra doença.

Contagem Completa de Sangue (CBC). O sangue é retirado do corpo do paciente e é investigado. Neste, o número total de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, quantidade de hemoglobina presente nos glóbulos vermelhos, etc. deve ser verificado.

Alterações Citogenéticas. Para procurar por alterações citogenéticas, a amostra de sangue do paciente é observada ao microscópio para procurar quaisquer anormalidades cromossômicas.

Estudo de Esfregao de Sangue Perifico (PBS). Neste, a amostra de sangue do paciente é coletada e, em seguida, colocada em uma lâmina de vidro e, em seguida, observada sob um microscópio. Neste estudo, a forma, tamanho, cor e número de glóbulos vermelhos é verificada. Se houver excesso de carga de ferro nos glóbulos vermelhos, ele pode ser detectado com a ajuda deste teste. (1)

Estudos bioquímicos do sangue. Nestes estudos, a quantidade de diferentes vitaminas como vitamina B12, folato, etc. é verificada.

Conclusão

Não, a síndrome mielodisplásica não pode desaparecer sozinha. Tem que ser tratado de certas maneiras para facilitar a vida do paciente. Existem diferentes terapias de suporte que podem ser usadas para o tratamento sintomático da doença. Mas esta doença é uma doença do registro de vida e nunca pode ser curada nem pode desaparecer por conta própria.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment