Câncer

Tratamento do Colangiocarcinoma: Prognóstico, Taxa de Sobrevida

Colangiocarcinoma, o termo científico para o câncer de ducto biliar, é um tipo raro de câncer com risco de vida. Afetando apenas 2000-3000 pessoas por ano nos EUA, este câncer é mais comum no sudeste da Ásia devido a uma infecção parasitária da gripe do fígado Clonorchis sinensis e Opisthorchis viverrini e do sangue fluido Schistosoma haematobium. Embora o colangiocarcinoma acometa principalmente os idosos acima de 60 anos, também pode afetar crianças e também aqueles que tiveram hepatopatia, icterícia (embora nem sempre) e pessoas com cirrose hepática. O estágio do colangiocarcinoma é finalizado com base no sistema de estadiamento TNM, onde T significa Tumor, N significa Nó e M por Metástases. O diagnóstico do tipo e dos estágios do colangiocarcinoma determina o tratamento a ser realizado. Vamos agora dar uma olhada no tratamento, tratamento alternativo, prevenção, prognóstico e epidemiologia do colangiocarcinoma em detalhe.

O tratamento do colangiocarcinoma depende de alguns dos fatores como:

  • Tipo e estágio do colangiocarcinoma
  • Se o tumor é removível ou não removível
  • A saúde geral do paciente que sofre de colangiocarcinoma também é um fator no seu tratamento
  • Possíveis efeitos colaterais do tratamento para colangiocarcinoma
  • Curabilidade do Colangiocarcinoma, expectativa de vida e a extensão do alívio dos sintomas que podem ser alcançados

Os tipos de tratamento disponíveis para colangiocarcinoma são:

  • Cirurgia
  • Quimioterapia
  • Terapia de radiação
  • Terapia paliativa – Envolve colocação de stent e cateter para drenar a bile para o intestino de acumular nos dutos.

Remoção de tumor cirurgicamente ainda é a única opção para salvar um paciente de colangiocarcinoma de avançar com esta doença mortal. No entanto, não resta opção senão a cirurgia exploratória para colangiocarcinoma, pois a operabilidade na maioria dos casos só pode ser avaliada durante a cirurgia. No que diz respeito à operabilidade do colangiocarcinoma, existem dois tipos de condições cirúrgicas que podem ser encontradas no ducto biliar, viz. câncer do ducto biliar ressecável e câncer do ducto biliar ressecável.

  • Tratamento do câncer do ducto biliar ressecável: Neste tipo, uma cirurgia instantânea para remover o câncer é realizada seguida de radiação ou quimioterapia. Em caso de câncer de ducto biliar extra e peri-hilar, o implante de stent ou a terapia de drenagem biliar trans-hepática percutânea é realizada para prevenir recidiva da icterícia ou outros sintomas.
  • Tratamento do Câncer de Ducto Biliar Irresectável: No caso de câncer de ducto biliar ressecável ou colangiocarcinoma intra-hepático recorrente, o tumor permanece em estágio metastático e, portanto, é cirurgicamente inoperável. Em tal situação os seguintes tratamentos aplicam-se dependendo da condição clínica do paciente:
    • Posicionamento de stent para melhoria do estado de saúde.
    • Quimioterapia
    • Terapia de radiação interna e externa
    • Radioterapia externa acompanhada de drogas radio-sanitizantes, terapia de hipertermia ou quimioterapia.

Tratamento Complementar e Alternativo para o Colangiocarcinoma

Maiores taxas de mortalidade e comparativamente menos expectativa de vida de colangiocarcinoma fizeram com que os pacientes e seus familiares procurassem tratamentos complementares e alternativos para colangiocarcinoma. Existem algumas alegações de métodos alternativos de tratamento, particularmente em ayurveda e homeopatia para curar o colangiocarcinoma, se detectado em um estágio inicial. Em alguns casos raros, embora não clinicamente comprovados, os pacientes mostraram melhorias notáveis ​​quando submetidos à IPT (Insulin Potentiation Therapy). Nesta forma aparentemente impopular de tratamento para colangiocarcinoma, a quimioterapia é aplicada em doses muito baixas, juntamente com a insulina. A insulina coloca as células cancerosas na fome por um longo tempo, permitindo assim que a quimioterapia seja mais eficaz para elas.

Terapias complementares são terapias fornecidas juntamente com os tratamentos disponíveis para colangiocarcinoma para fornecer algum alívio dos efeitos colaterais e estresse associados ao câncer. Algumas das terapias complementares são:

  • Aconselhamento – Aconselhamento para pacientes com colangiocarcinoma e membros da família, individualmente ou em grupo, para ajudar a lidar com a doença e a situação.
  • Psicoterapias – Inclui arte, música, dança e várias outras terapias para ajudar a aliviar o estresse e a ansiedade associados ao colangiocarcinoma e também trazer a turbulência emocional que o paciente passa.
  • Meditação – Ajuda a acalmar a mente e o corpo e aumenta a imunidade.
  • Acupressão e Acupuntura – Usado geralmente para aliviar a dor associada ao tratamento do Colangiocarcinoma.
  • Chá de hortelã – usado para reduzir a náusea causada como efeito colateral do tratamento do colangiocarcinoma.
  • Body Cleansing – Envolve a desintoxicação do corpo com a ajuda de vários planos de dieta. No entanto, não se esqueça de consultar o seu médico primário antes de ir para ele.

Aconselhamento e psicoterapias são oferecidos na maior parte do departamento de câncer nos dias de hoje e são incorporados no plano de tratamento multidisciplinar para o câncer, devido à sua eficácia na redução do estresse. No entanto, uma terapia complementar e alternativa para colangiocarcinoma deve sempre ser um complemento ao plano de tratamento principal, em vez de ser um substituto para ele. Consulte o seu especialista de cuidados de saúde primários antes de começar com qualquer um deles.

Epidemiologia do Colangiocarcinoma

A epidemiologia do colangiocarcinoma é bastante interessante:

  • Os machos têm maior tendência a contrair o colangiocarcinoma do que as fêmeas.
  • As populações mais velhas do mundo, aquelas que cruzaram 60 anos, correm maior risco de ter colangiocarcinoma.
  • A maior taxa de colangiocarcinoma é detectada na parte norte da Tailândia, onde quase 96 pessoas por 100 mil pessoas são afetadas pelo colangiocarcinoma. No Japão e em Israel, a doença é muito disseminada do que no Ocidente ou em outras partes da Ásia.
  • Os estudos epidemiológicos realizados pela OMS mostraram que a taxa de mortalidade por IHBT (colangiocarcinoma intra-hepático ou tumores de vias biliares intra-hepáticos) está aumentando, enquanto a mesma para EHBT (colangiocarcinoma extra-hepático ou tumores biliares extra-hepáticos) está diminuindo.

Prognóstico e taxa de sobrevivência de colangiocarcinoma

As estatísticas de sobrevivência do colangiocarcinoma têm mostrado uma figura muito patética ao longo das décadas. A aplicação de diferentes tratamentos médicos e cirurgias agressivas tentam prolongar a expectativa de vida dos pacientes com colangiocarcinoma, mas os tratamentos de salvar vidas parecem ser um sonho distante ainda. No que diz respeito ao tratamento de pacientes com câncer, os médicos padronizam a expectativa de vida por pelo menos 5 anos. Esta estatística de sobrevivência padronizada determina o prognóstico de um paciente em situação semelhante. Com base nisso, o Prognóstico e a Taxa de Sobrevida do Colangiocarcinoma são amplamente descritos como:

  • O diagnóstico tardio de Colangiocarcinoma leva à deterioração progressiva da condição física com taxa média de sobrevivência de 1-2 anos. A taxa de sobrevivência é muito escassa devido à presença de condições metastáticas em número máximo de situações.
  • Os pacientes que foram submetidos a cirurgias mostram uma sobrevida de 5 anos de apenas 20 a 60%. Isso é muito menor em comparação com outros tipos de câncer. As taxas de sobrevivência em casos cirúrgicos de câncer do ducto biliar variam acentuadamente devido a diferentes locais e estágios do tumor.

Os casos de colangiocarcinoma intra-hepático ou de vias biliares intra-hepáticas possuem um prognóstico muito ruim, enquanto os pacientes com colangiocarcinoma extra-hepático ou tumor biliar extra-hepático possuem melhor prognóstico.

Prevenção do Colangiocarcinoma

As razões específicas do câncer do ducto biliar ainda não são conhecidas pelos médicos e, portanto, a prevenção torna-se difícil, já que a maioria dos fatores de risco para o colangiocarcinoma é incontrolável. Em muitos casos, descobriu-se que o colangiocarcinoma é desenvolvido em pessoas sem fatores de risco visíveis. Exercícios regulares, dieta saudável, menos fumo, menos álcool, tomar medidas preventivas contra as hepatites B e C, e evitar produtos químicos perigosos, tanto quanto possível, podem manter todos em boas condições físicas e também com câncer. As pessoas que já têm doenças do ducto biliar devem ser extremamente cautelosas e precisam fazer check-ups rotineiros regularmente. As pessoas que residem no sudeste da Ásia devem ser mais cautelosas quanto aos problemas digestivos ou às infecções relacionadas ao fígado, que aumentam as chances do colangiocarcinoma.

Conclusão

Os pesquisadores estão em constantes esforços para obter mais informações sobre a doença e novas formas de detecção precoce. A crescente incidência de colangiocarcinoma também é uma preocupação para os médicos. Estilo de vida saudável, exames periódicos de saúde e conhecimento sobre a doença podem ajudar muito na regulação dos casos cada vez maiores de colangiocarcinoma.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment