Cara, boca e garganta

Epiglotite: causas, sintomas, tratamento, prevenção

A epiglote é uma pequena estrutura de cartilagem, em forma de tampa, que cobre a traquéia. A epiglotite é uma condição potencialmente fatal que ocorre quando há inchaço na epiglote resultando em bloqueio do fluxo de ar para os pulmões. Existem muitas razões que fazem com que a epiglote aumente, como por exemplo, queimaduras por ingestão de líquidos quentes, infecções ou lesões diretas na garganta. Anteriormente, a causa mais comum de epiglotite em crianças era a infecção que ocorre de Haemophilus influenzae tipo b (Hib). Esta é a mesma bactéria, que causa  meningitepneumonia  e infecções sangüíneas. A epiglotite pode afetar pessoas de qualquer idade.

Atualmente, a epiglotite ocorre raramente devido à vacinação rotineira contra Hib para lactentes; no entanto, essa condição ainda continua sendo motivo de preocupação. Se você suspeitar que você ou um de seus familiares tem epiglotite, procure ajuda médica imediata, pois isso pode prevenir complicações potencialmente fatais.

Uma infecção ou lesão direta é a principal causa da epiglotite.

Epiglotite causada por infecção

A infecção por Haemophilus influenzae tipo b (Hib) é a causa comum de inchaço e inflamação da epiglote e dos tecidos circundantes. A bactéria Hib é a causa de muitas doenças graves, incluindo a meningite, que é a mais comum. O Hib se espalha através de gotículas que são espirradas ou tossidas no ar por pessoas infectadas. Você pode ter as bactérias Hib presentes no nariz e na garganta sem realmente ficar doente; no entanto, você ainda pode contaminar outras pessoas com as bactérias.

Existem outras bactérias e vírus, que também podem causar inflamação da epiglote e incluem:

  • Streptococcus A, B e C são um grupo de bactérias, que também são responsáveis ​​por causar várias doenças, como  infecções na garganta  e no sangue
  • O Streptococcus pneumoniae também é uma bactéria, que causa pneumonia, meningite, infecções de ouvido e septicemia.

Epiglotite causada por lesão

Lesões físicas diretas na garganta também podem causar epiglotite. Esta condição também pode ocorrer devido a queimaduras resultantes da ingestão de líquidos muito quentes.

O paciente também pode apresentar sinais e sintomas que lembram epiglotite se:

  • Engole um objeto estranho.
  • Engole uma substância química que queima a garganta.
  • Fuma drogas como crack.

Fatores de risco para epiglotite

  • Os homens são mais vulneráveis ​​ao desenvolvimento da epiglotite do que as mulheres.
  • Pessoas com um sistema imunológico enfraquecido, que ocorre como resultado de medicação ou qualquer doença, correm um risco maior de infecções bacterianas, que podem causar epiglotite.
  • As crianças que não estão atualizadas com as vacinas são mais propensas a ter epiglotite.

Sinais e Sintomas da Epiglotite

Os sintomas da epiglotite em crianças incluem:

  • O paciente está babando.
  • Paciente tem febre.
  • O paciente apresenta dor severa na garganta.
  • A voz de quem sofre de epiglotite torna-se anormal e tem um som agudo quando inala (estridor).
  • O paciente sente ansiedade e fica inquieto.
  • Paciente com epiglotite tem dificuldade em engolir e sente dor ao engolir.
  • Paciente que sofre de epiglotite encontra conforto ao inclinar-se para a frente ou sentar-se.
  • Sintomas de epiglotite em adultos são semelhantes e tendem a se desenvolver gradualmente, levando dias em vez de horas e podem incluir: Babando, dor de garganta severa, febre, voz rouca ou abafada, estridor, dificuldade em respirar e engolir.

A epiglotite não deve ser tomada de ânimo leve, pois é uma emergência médica. Se qualquer pessoa tiver dificuldade para respirar e engolir, o paciente deve ser levado IMEDIATAMENTE para o departamento de emergência do hospital mais próximo. O paciente deve ficar quieto e sentado em posição ereta, pois facilitará a respiração. NUNCA tente examinar a garganta do paciente sozinho, pois isso pode piorar a situação.

Investigações para epiglotite

Se houver suspeita de epiglotite, a prioridade imediata é garantir que as vias aéreas do paciente estejam abertas e que o paciente esteja recebendo oxigênio suficiente. O teste inicial é composto por um oxímetro de pulso, que é um dispositivo que avalia os níveis de oxigênio no sangue. Este dispositivo é cortado em um dedo e mede a quantidade de saturação do oxigênio no sangue. Se os níveis de saturação de oxigênio forem muito baixos, o paciente pode precisar de ajuda para respirar.

Testes realizados após a estabilização da respiração são:

  • O exame da garganta é feito usando um tubo flexível e de fibra óptica. O médico inspeciona a garganta da criança com ela para ver o que está causando os sintomas do paciente. Anestésico local pode ser dado para ajudar com o desconforto.
  • Raio-X do pescoço ou do peito é tomado devido ao perigo de problemas respiratórios repentinos. A via aérea deve ser protegida antes de tirar as radiografias e as crianças geralmente são levadas perto da beira do leito. No caso de epiglotite, um tipo de imagem com impressão digital pode ser visto no pescoço em um raio X, que indica uma epiglote aumentada.
  • Testes de sangue e cultura da garganta também são feitos. A cultura é feita passando-se a epiglote com um cotonete e a amostra é testada para Hib. As hemoculturas são tomadas para confirmar ou excluir a bacteremia, que é uma infecção aguda da corrente sanguínea que pode acompanhar a epiglotite.

Tratamento para epiglotite

A primeira linha de tratamento da epiglotite consiste em garantir que o paciente possa respirar. Então a causa da epiglotite é identificada e tratada. Como dito acima, a primeira prioridade no tratamento da epiglotite é garantir que o paciente esteja recebendo ar suficiente. Isso compreende:

  • Vestindo uma máscara que fornece oxigênio para os pulmões.
  • A intubação é feita quando um tubo de respiração é colocado na traqueia através do nariz ou da boca. Este tubo deve ser mantido até o inchaço na garganta do paciente diminuir. Isso às vezes pode levar vários dias.
  • A traqueostomia com agulha é feita quando uma agulha é inserida na traquéia. Se as medidas conservadoras falharem ou em casos extremos, o médico pode criar uma via aérea de emergência, onde uma agulha é inserida diretamente na área da cartilagem da traquéia do paciente. Este procedimento permite que o ar entre nos pulmões, ignorando a laringe.

Tratamento para epiglotite causada por infecção

Se a epiglotite ocorre como resultado da infecção, os antibióticos intravenosos são iniciados após o paciente começar a ter ar suficiente.

  • Antibióticos de amplo espectro são iniciados para tratamento imediato em vez de esperar pelos resultados da cultura de sangue e tecidos.
  • Antibióticos alvo podem ser iniciados mais tarde, depois que os resultados da cultura estiverem de volta e a causa da epiglotite for identificada.

Prevenção da epiglotite

  • A vacina contra o Hib para imunização deve ser administrada nos horários programados, pois esta é uma maneira muito eficaz de prevenir a epiglotite, causada pelo Hib. A vacina é geralmente administrada em três ou quatro doses. A vacina contra o Hib geralmente não é administrada a crianças com idade superior a 5 anos ou a adultos, pois elas correm menor risco de desenvolver infecção por Hib. No entanto, a vacina contra o Hib é recomendada para crianças mais velhas e adultos que tenham sistema imunológico enfraquecido devido à doença falciforme, remoção do baço,  HIV / AIDS , quimioterapia e que recebam medicamentos que impeçam a rejeição de transplantes ou órgãos da medula óssea.

Os efeitos colaterais da vacina são:

  • Possíveis efeitos colaterais leves incluem calor, vermelhidão, inchaço no local da injeção e o paciente também pode ter febre.
  • Reações alérgicas, como dificuldade respiratória,  urticáriachiado , fraqueza, taquicardia, tonturapodem ocorrer em poucos minutos ou algumas horas após a injeção. Ajuda médica imediata deve ser procurada em tais casos.

Além de tomar a vacina contra o Hib, outras precauções devem ser tomadas para evitar infecções, tais como:

  • Evitando compartilhar itens pessoais.
  • Freqüentemente lavando as mãos.
  • Usar um desinfetante para as mãos à base de álcool no caso de sabão e água não estarem disponíveis.
Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment