Cérebro

O que é Macroadenoma Hipofisário: Causas, Sintomas, Tratamento, Diagnóstico

Macroadenoma pituitário é uma variante de adenomas ou tumores benignos e não cancerosos formados na glândula pituitária. Basicamente, existem duas formas de Adenoma Hipofisário, das quais uma tem menos de 10 mm de tamanho e é chamada de Microadenoma Hipofisário, enquanto os tumores que são maiores que 10 mm são chamados de Macroadenoma Hipofisário.

A glândula pituitária é um órgão em forma de feijão encontrado na base do cérebro. Esta glândula desempenha um papel vital na regulação da pressão arterial e no funcionamento de outros órgãos importantes do corpo. Macroadenoma hipofisário é uma condição benigna e não afeta a função da glândula de qualquer forma na maioria dos casos, mas em alguns casos esses tumores podem causar certos sintomas como dores de cabeça .

O tratamento da linha de frente para o Macroadenoma Hipofisário é a cirurgia. Existem várias abordagens, dependendo da localização e tamanhos do tumor para o tratamento de Macroadenoma pituitário.

Estudos têm mostrado que se um indivíduo tem uma história familiar dessa condição, então as chances desse indivíduo é maior do que a população normal de desenvolvimento de Macroadenoma hipofisário.

Quais são as causas de Macroadenoma hipofisário?

A causa raiz do Macroadenoma Hipofisário ainda não é conhecida. Anatomicamente falando, a glândula pituitária está localizada na base do cérebro em algum lugar entre as orelhas. Embora esta glândula seja de tamanho muito pequeno, desempenha um papel vital no funcionamento de vários órgãos importantes do corpo.

A glândula pituitária influencia e regula a pressão sanguínea, a reprodução e o crescimento do corpo. Normalmente, o funcionamento da glândula não é significativamente prejudicado na maioria dos casos pela presença de Macroadenoma pituitário.

Quais são os sintomas do Macroadenoma Hipofisário?

Macroadenoma pituitário pode ser a razão por trás do desenvolvimento de várias condições médicas, como síndrome de Cushing , acromegalia , hipertireoidismo e, em casos raros, sintomas relacionados à secreção reduzida da glândula pituitária. Alguns dos sintomas do Macroadenoma Hipofisário incluem:

  • Dores de cabeça freqüentes
  • Problemas de visão
  • Tontura persistente
  • Náusea
  • Crescimento inexplicável ou perda de cabelos
  • Mudanças de peso não intencionais
  • Períodos menstruais nas mulheres
  • Disfunção erétil em homens.

Como o Macroadenoma Hipofisário é Diagnosticado?

O diagnóstico de Macroadenoma Hipofisário pode ser suspeitado com base nos sintomas exibidos pelo paciente. Se houver suspeita de Macroadenoma Hipofisário, o médico pode fazer uma bateria de testes para confirmar o diagnóstico. Esses testes incluem exames de sangue, urinálise e testes para verificar o campo visual.

Além disso, o médico pode solicitar exames de imagem avançados para incluirtomografia computadorizada e ressonância magnética do cérebro, que mostrará claramente a presença de lesão na glândula pituitária, confirmando o diagnóstico de Macroadenoma hipofisário.

Como o Macroadenoma Hipofisário é Tratado?

A cirurgia é o tratamento de primeira linha para o Macroadenoma Hipofisário. Existem vários modos de remoção cirúrgica do Macroadenoma Hipofisário.

Abordagem transesfenoidal: A abordagem cirúrgica mais preferida para o Macroadenoma Hipofisário é denominada abordagem transesfenoidal para a remoção de um Macroadenoma Hipofisário.

Durante o procedimento cirúrgico, o cirurgião irá criar uma incisão dentro do osso esfenóide para obter acesso ao seio esfenoidal. Outra incisão será feita para criar um buraco dentro da sela turca, que é o osso que protege a glândula pituitária.

Uma vez que o acesso é adquirido para a glândula pituitária, o tumor será visualizado e uma vez confirmada a remoção do tumor terá lugar. Após a remoção do tumor, o cirurgião irá selar a cavidade causada pelo tumor.

Este pode ser o tratamento mais preferido para Macroadenoma pituitário, mas existem outras abordagens para o tratamento também. A microcirurgia é um tipo de cirurgia que utiliza microscópios poderosos para distinguir entre as pequenas estruturas dentro e ao redor da glândula pituitária.

A cirurgia endoscópica é ainda outra forma de cirurgia que normalmente é feita para quebrar o tumor em pequenos pedaços e, em seguida, removê-los completamente. Estas são cirurgias minimamente invasivas e há muito pouca ou nenhuma chance de trauma ao redor da região hipofisária, permitindo assim uma recuperação pós-procedimento mais rápida. Na maioria dos casos, o paciente é capaz de voltar para casa no prazo de dois dias após o procedimento para tratar o Macroadenoma Hipofisário.

Radiocirurgia Gamma Knife: Esta é a forma mais inovadora de tratamento para o Macroadenoma Hipofisário. Atinge resultados semelhantes que são alcançados com a forma tradicional de cirurgia para o tratamento de Macroadenoma hipofisário.

A principal desvantagem da cirurgia com Gamma Knife é que leva muitos anos para que os níveis hormonais anormais causados ​​pelo Macroadenoma Hipofisário se normalizem e requer monitoramento constante, o que não é o caso das cirurgias tradicionais.

Neste procedimento, muitos pequenos raios de radiação são direcionados para o tumor. Todos esses feixes convergem no tumor e os quebram em pequenos pedaços. Este é um procedimento ambulatorial e o paciente pode ir para casa no mesmo dia.

Medicamentos: Medicamentos são necessários para reduzir os níveis hormonais ao normal, que tendem a aumentar como resultado do Macroadenoma Hipofisário.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment