Por que as pessoas são epilépticas?

As pessoas que apresentam natureza epiléptica são propensas a convulsões frequentes ou recorrentes devido à produção excessiva de sinais elétricos desenvolvidos no cérebro. As células cerebrais comunicam entre si através de sinais elétricos e químicos. A causa da crise pode ocorrer em uma região específica do cérebro ou se espalhar por toda parte.

É complicado responder à pergunta, pois há casos em que pessoas sem sinais ou sintomas relacionados à doença são vítimas da doença e tiveram convulsões. Se precisarmos descrever a epilepsia, poderemos declará-la como uma doença neurológica com ocorrências de convulsões. O fator mais importante a lembrar aqui é que as convulsões ocorrem como nenhum sinal de alerta. Pode acontecer em qualquer ponto do dia, independentemente da situação e do ambiente.

Devido a isso, é impossível afirmar a razão exata pela qual as pessoas são propensas ou descobertas com sintomas de epilepsia. No entanto, em muitos dos casos, as seguintes são as causas da presença da doença:

  1. Lesões a cabeça durante um acidente
  2. Trauma grave
  3. Condições cerebrais que incluem tumor e acidente vascular cerebral
  4. Presença de doença infecciosa
  5. Dano pré-natal, que ocorre antes do nascimento
  6. Transtornos do desenvolvimento, como autismo e neurofibromatose.

O sofrimento causado pela epilepsia

O sofrimento que o indivíduo exibe varia de um para outro. A razão é que o ponto em que a atividade anormal começa. Dependendo disso, o ataque altera ou contrai os músculos controlados pela porção do cérebro. Além disso, é necessário entender se ela se espalhou de uma área para outra e em que velocidade.

Embora a condição tenha informações completas, identificá-la torna difícil para qualquer neurologista, devido à ausência de causas específicas.

Sintomas da epilepsia

Um dos sintomas comuns da epilepsia que um indivíduo experimenta é convulsões recorrentes. É vital que um indivíduo visite o médico se ele apresentar alguma das seguintes condições e se reaparecer com frequência:

  1. Convulsão sem presença de febre
  2. Memória confusa
  3. Perder o controle sobre o funcionamento da bexiga
  4. Não responde
  5. O corpo fica rígido
  6. Um indivíduo cai sem motivo
  7. Movimentos repetitivos que são inapropriados
  8. Mostrando sinais de comunicação inacessível
  9. Mudanças nos sentidos, como tocar, cheirar e ouvir
  10. Movimentos rápidos repentinos também são um sintoma de epilepsia.

Tipos de convulsões epilépticas

  1. Idiopático
  2. Criptogênico
  3. Sintomático

Dependendo de onde a crise começou, o médico categorizará o acidente em qualquer uma das três categorias a seguir:

  1. Apreensão parcial
    1. Apreensão parcial simples
    2. Apreensão parcial complexa
  2. Apreensão generalizada
    1. Convulsões tônico-clônicas
    2. Crises de ausência
    3. Convulsões tônicas
    4. Convulsões clônicas
    5. Convulsões atônicas
  3. Convulsões generalizadas secundárias.

Tratamento para a epilepsia

Ao contrário de outras doenças, não há tratamento específico que seja útil na cura da epilepsia. No entanto, uma das maneiras pelas quais um médico pode impedir a re-ocorrência de uma convulsão é através da realização de cirurgia. No entanto, se houver uma condição subjacente do cérebro, o médico realizará uma série de testes para determinar a natureza e oferecer tratamento que consiste em medicamentos que visam a causa subjacente.

O uso contínuo dos medicamentos para a epilepsia não é aconselhável, pois tem efeitos colaterais. Em casos graves, o médico opta por realizar a cirurgia e, em seguida, coloca o indivíduo em uma dieta rigorosa. Do ponto de vista do médico, é necessário evitar a re-ocorrência da atividade anormal produzida no cérebro. Ele não só previne as convulsões, mas também ajuda o indivíduo a evitar os efeitos colaterais.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment