Qual é a diferença entre hepatite D e E?

Hepatite D (VHD) e Hepatite E (HEV) compartilham algumas diferenças, mas o mais relevante é o mecanismo de transmissão: no VHD é via permucosa ou percutânea, que denota através de, ou através de, uma membrana mucosa ou pele; enquanto no caso do HEV, normalmente requerem transmissão oro-fecal, causada pelo consumo de água contaminada.

Sobre a hepatite D

O vírus delta ou vírus D (VHD) é um vírus defeituoso que precisa da presença do vírus da hepatite B para produzir infecção. O virion tem um envelope de lipoproteína formado pelo HBsAg e uma estrutura de proteína interna onde reside o genoma viral, constituído por uma fita única de RNA que forma um complexo com o único antígeno codificado pelo próprio vírus, o HDAg. A infecção é muito comum em crianças e jovens. A transmissão é permucosa ou percutânea e é favorecida pela falta de higiene. A infecção pelo VHD deve ser suspeitada em pacientes que vêm de áreas endêmicas (países do Leste Europeu, Mediterrâneo e América Central) e em usuários de drogas administrados por via parenteral e nunca na ausência de infecção pelo VHB. Diferentes situações clínicas relacionadas à infecção pelo VHD, como coinfecção HBV / HDV, A superinfecção por HDV em pacientes já infectados com HBV ou infecção crônica por HDV pode ser caracterizada pelo estudo da presença ou ausência de RNA viral, HDAg e anticorpos anti-HIV. –VHD.

As apresentações clínicas da infecção podem variar desde formas benignas agudas, formas crônicas, às vezes assintomáticas, até hepatites fulminantes. A infecção simultânea por VHD e VHB (co-infecção) geralmente leva à hepatite aguda, muitas vezes autolimitada e indistinguível da hepatite aguda pelo VHB. A infecção pelo VHD em pacientes previamente infectados pelo VHB (superinfecção) costuma ter pior prognóstico, causa hepatite aguda grave ou exacerbação da hepatite B crônica. A evolução para hepatite crônica por VHD ocorre em quase todos os pacientes.

A presença de VHD não deve ser buscada na ausência de HBV. O diagnóstico microbiológico do VHD baseia-se na detecção e / ou quantificação de antígenos, anticorpos e no genoma do vírus. As amostras escolhidas são soro e, em certos casos, biópsia hepática.

Sobre a hepatite E

É a principal causa de hepatite e icterícia no mundo, com 20 milhões de novas infecções, 3 milhões de hepatites agudas e 57.000 mortes a cada ano. A hepatite E é uma infecção viral de transmissão tipicamente orofacial, principalmente através de água contaminada. Suas características clínicas são as de uma hepatite aguda semelhante à produzida pelo HAV.

O vírus da hepatite E (HEV) pertence à família Hepeviridae e constitui o gênero Hepevirus. É um vírus RNA, de polaridade positiva e tamanho pequeno, sem envelope, e icosaédrico. Existem 4 genótipos descritos, dos quais I e II afetam exclusivamente o homem e III e IV ao homem e aos animais, especialmente suínos. Seu mecanismo de transmissão é muito semelhante ao da hepatite A e, como este, a hepatite E geralmente não se torna crônica. Embora a doença geralmente apresente baixa mortalidade (0,2-0,3%), pode se tornar extremamente grave em mulheres grávidas, onde freqüentemente causa insuficiência hepática fulminante com taxas de mortalidade entre 20-30% e em pacientes imunocomprometidos.

O período médio de incubação da hepatite E é de cerca de 40 dias. A elevação dos valores das enzimas hepáticas no soro geralmente ocorre entre 30 e 120 dias após a infecção. A excreção fecal de HEV começa cerca de uma semana antes do início dos sintomas da doença e continua por 2 ou 3 semanas depois. A fase “icterícia” é caracterizada pelo aparecimento de uma coloração amarelada na pele e membranas mucosas, associada a uma condição semelhante à gripe. Pode também observar colúria (presença de elementos biliares na urina), fezes cor de argila, hepato- e esplenomegalia (fígado e baço dilatados), eritema e erupção cutânea com comichão, etc.

Os imunoensaios enzimáticos são a principal ferramenta diagnóstica para a detecção de anticorpos contra o HEV. O genoma (RNA) do HEV pode ser detectado nas fezes e soro por RT-PCR. Sua detecção indica infecção ativa. O diagnóstico da infecção pelo VHE é muito semelhante ao da infecção pelo VHA e baseia-se na detecção indireta de anticorpos específicos do tipo IgM e IgG que constituem os marcadores sorológicos da infecção.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment