Expectativa de vida com meduloblastoma

O meduloblastoma é o tumor mais comum entre os tumores neuroectodérmicos primitivos (PNET). Embora a expectativa de vida depende de vários fatores, mas se o paciente é capaz de sobreviver cinco anos após o tratamento, a doença tem um prognóstico favorável.

A expectativa de vida é definida como o número de anos que uma pessoa viverá com a doença. A expectativa de vida é a medida da idade da pessoa até que a pessoa viva após o diagnóstico da doença. O meduloblastoma é uma condição séria e debilita a expectativa de vida, pois afeta várias partes do cérebro, especificamente o cerebelo.

Além disso, é uma condição progressiva e, se não for gerenciada no estágio inicial, pode levar a consequências fatais. Os estudos foram feitos nos pacientes que sobreviveram cinco anos após terem sido submetidos a terapia, como quimioterapia ou radioterapia.

A expectativa de vida global de pacientes com meduloblastoma em 15 anos e 30 anos foi de aproximadamente 83% e 68%, respectivamente. Além disso, a sobrevida específica do câncer desses pacientes é bastante alta, pois essa porcentagem atinge aproximadamente 85% e 76%, respectivamente. Assim, pode-se dizer que, uma vez que uma pessoa sobreviva por cinco anos após a intervenção terapêutica no caso de meduloblastoma, o prognóstico a longo prazo desses pacientes tende a ser favorável.

Fatores que afetam a expectativa de vida

O meduloblastoma é dividido em vários estágios e à medida que o estágio da doença aumenta, o risco aumenta. A expectativa de vida do paciente que sofre de meduloblastoma depende da variedade de fatores. Além disso, o estágio da doença deve ser analisado para determinar a estratégia de tratamento apropriada.

Mais avançado da doença, o tratamento mais agressivo é necessário. A seguir, são fatores que afetam a sobrevivência do paciente:

  1. Idade do paciente: Se a idade do paciente que sofre de meduloblastoma for inferior a três anos, a probabilidade de sobrevivência do paciente é menor em comparação com a idade do bebê maior que três anos.
  2. Tumor Permaneceu Após Cirurgia: Se a quantidade de tumor que permanece no cérebro após a cirurgia é maior que 1,5 cm2, o paciente está em fase de alto risco e pode ter mau prognóstico.
  3. Estágio da doença: O estágio, no qual a doença é identificada, também desempenha um papel importante no prognóstico da doença. O paciente pode estar em maior risco se a doença for metastizada para outras partes do cérebro ou se espalhar para pinheiro ou líquido cefalorraquidiano. Além disso, em condições raras, o meduloblastoma pode metastatizar fora do cérebro em órgãos como o osso e o tórax, que é o estágio complexo da doença e é necessária uma terapia agressiva.
  4. Resposta ao tratamento: Alguns casos de meduloblastoma não respondem ao tratamento, pois é uma doença mais complexa do que o neuroblastoma, que é uma doença do sistema nervoso periférico. Como o meduloblastoma se concentra principalmente no cérebro, os fármacos têm que atravessar a barreira hematoencefálica, reduzindo assim a potência dos fármacos. Assim, os pacientes com má resposta ao tratamento têm prognóstico ruim.

Meduloblastoma

O meduloblastoma é a doença mais comum de toda a doença classificada nos Tumores Neuroectodérmicos Primitivos (PNET). O meduloblastoma é a doença caracterizada pela presença de tumor no interior do cérebro. Geralmente, o tumor permanece confinado no cérebro e pode metastizar para outras partes do cérebro, líquido cefalorraquidiano e coluna vertebral. No entanto, em raras circunstâncias, o tumor pode se espalhar para órgãos fora do cérebro, como tórax e ossos. A maioria dos pacientes tem uma resposta pobre em relação ao tratamento do meduloblastoma e, portanto, geralmente tem um mau prognóstico. O meduloblastoma carrega as características das células das quais é derivado e ativa anormalmente as vias de sinalização de Hedgehog ou Wnt. A parte do cérebro que é afetada principalmente é o cerebelo. Devido à degradação do cerebelo,andar e disfunção cognitiva. À medida que o tumor comprime os tecidos do cérebro, o paciente pode sentir dor de cabeçamoderada a grave .

Conclusão

A sobrevida global do paciente que sobreviveu a 5 anos do ponto de terapia é de 83% e 68% para 15 anos e 30 anos, respectivamente.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment