Coração

Cardiomiopatia – Causas, Sintomas, Diagnóstico, Tratamento

A cardiomiopatia é uma condição médica na qual há anormalidade no músculo cardíaco causando sintomas. Existem três tipos de cardiomiopatia que são Miocardiopatia Dilatada, Cardiomiopatia Hipertrófica e Cardiomiopatia Restritiva. A cardiomiopatia é uma condição que torna mais difícil para o coração bombear e fornecer sangue para as outras partes do corpo. A cardiomiopatia é uma das principais causas de insuficiência cardíaca. A cardiomiopatia é uma condição perfeitamente tratável. O tratamento depende do tipo de cardiomiopatia que o paciente tem e da gravidade da condição. O tratamento pode incluir manejo medicamentoso, dispositivos mecânicos e, em casos extremamente agudos e graves, transplante cardíaco.

O que causa cardiomiopatia?

O que causa A cardiomiopatia ainda é uma questão de pesquisa contínua, mas, em alguns casos, os médicos são capazes de identificar os fatores que contribuem para essa condição. Algumas das possíveis causas da cardiomiopatia são:

  • Predisposição genética
  • Hipertensão crônica
  • Danos severos aos músculos e tecidos de um ataque anterior
  • Taquicardia Crônica
  • Defeito nas válvulas do coração
  • Obesidade
  • Distúrbios da tireóide
  • Diabetes
  • Complicações da gravidez
  • Abuso Crônico de  Álcool
  • Abusando drogas recreativas
  • Distúrbios do tecido conjuntivo.

Quais são os fatores de risco para miocardiopatia?

Alguns dos fatores de risco para cardiomiopatia são:

História familiar: Um indivíduo com uma história familiar de cardiomiopatia terá um risco aumentado de ter o mesmo.

Hipertensão: Pessoas com hipertensão de longa data, sem controle adequado da pressão arterial, têm risco aumentado de ter cardiomiopatia

Outra condição cardíaca: indivíduos com cardiopatia preexistente também correm risco de desenvolver cardiomiopatia

Obesidade: Ter um peso corporal elevado coloca pressão extra sobre o coração e, portanto, coloca o indivíduo em risco de desenvolver miocardiopatia

Alcoolismo: alcoólatras crônicos também estão predispostos a ter cardiomiopatia

Uso de Polissubstância: Indivíduos que abusam de drogas recreativas, como anfetaminas ou cocaína, apresentam risco aumentado de cardiomiopatia

Diabetes Mellitus: os diabéticos de longa data também estão em risco aumentado de ter cardiomiopatia

Distúrbios da tireóide: pessoas com problemas de tireóide também estão predispostas a ter cardiomiopatia

Quais são os sintomas da cardiomiopatia?

Durante os estágios iniciais da cardiomiopatia, o paciente pode não apresentar nenhum sinal ou sintoma, mas quando a condição avança, os sinais e sintomas começam a aparecer gradualmente. Alguns dos sintomas da cardiomiopatia são:

  • Dispnéia com atividade e até com repouso
  • Edema da extremidade inferior
  • Inchaço abdominal
  • Tosse freqüente especialmente com deitado
  • Fadiga excessiva
  • Fluttering do coração
  • Dor no peito
  • Tontura .

Estes sintomas acima se agravam se a condição não for tratada.

Como a cardiomiopatia é diagnosticada?

Para diagnosticar cardiomiopatia, o médico começará por fazer um histórico detalhado do paciente, perguntando sobre quando os sintomas começam e quais são os fatores que melhoram ou pioram os sintomas. O médico também terá uma história familiar detalhada para ver se há alguma evidência de uma disfunção cardíaca em qualquer um dos membros da família. O médico também fará uma história social para descobrir o estilo de vida e os hábitos do paciente. Uma vez que a cardiomiopatia é suspeita, os seguintes exames podem ser solicitados para confirmar o diagnóstico:

Eletrocardiograma: Este teste mostra o batimento cardíaco na forma de impulsos elétricos. Este teste pode mostrar se há alguma anormalidade no ritmo do coração e se o coração está funcionando normalmente.

Ecocardiograma: Este teste faz uso de ondas de ultra-som para observar o funcionamento do coração. Este teste pode identificar com precisão qualquer anormalidade do funcionamento do coração.

Radiografia de tórax: Isso pode revelar se há algum aumento do coração ou não, o que pode excluir ou excluir a cardiomegalia como causa do sopro cardíaco. Além destes testes, uma tomografia computadorizada ou uma ressonância magnética também será obtida, que pode detectar com precisão a presença de cardiomiopatia.

Teste de estresse em esteira: Este teste é realizado para descobrir a tolerância ao exercício do paciente e a distância que o paciente pode percorrer na esteira antes que o paciente comece a apresentar sintomas. Isso é bastante útil para confirmar o diagnóstico e formular um plano de tratamento.

Cateterismo Cardíaco: Este é um teste minimamente invasivo no qual um cateter é inserido no coração através da perna. Este teste mede com precisão a pressão que é exercida nas câmaras do coração.

Ressonância Magnética Cardíaca: Isso fornece imagens precisas da parte interna do coração e pode identificar facilmente a cardiomiopatia

Testes genéticos: Como em alguns casos a cardiomiopatia está geneticamente vinculada, o médico também pode recomendar testes genéticos se houver um histórico familiar de cardiomiopatia no paciente.

Como a cardiomiopatia é tratada?

O principal objetivo do tratamento da cardiomiopatia é controlar os sintomas da mesma. O tratamento depende da gravidade da doença e do tipo de cardiomiopatia que o paciente está sofrendo

Cardiomiopatia Dilatada: Para este tipo de cardiomiopatia, medicamentos que melhoram o funcionamento do coração, melhoram o fluxo sanguíneo de e para o coração, controlam a pressão arterial, controlam a frequência cardíaca e removem o excesso de líquido do corpo. Além disso, se os medicamentos não se mostrarem tão eficazes, certos dispositivos podem ser implantados, o que ajuda a fazer o mesmo. Em alguns casos, um marcapasso também pode ser inserido.

Cardiomiopatia Hipertrófica: Para este tipo de cardiomiopatia, os medicamentos serão administrados para melhorar a função cardíaca e estabilizar o ritmo cardíaco. Um dispositivo ICD também pode ser implantado para melhorar o ritmo do coração. Um procedimento cirúrgico chamado miectomia septal em que uma parte do músculo cardíaco septal é removido para melhorar o fluxo sanguíneo de e para o coração pode ser realizada para tratar a condição

Miocardiopatia Restritiva: O tratamento para este tipo de cardiomiopatia é focado no controle e alívio dos sintomas. O médico recomendará modificações no estilo de vida sob a forma de restrição de sal e água, monitorando o peso e evitando o consumo de álcool e tabaco. Medicamentos podem ser administrados para controlar a pressão arterial e melhorar o fluxo sanguíneo de e para o coração.

Quais são os prós e contras quando se tem cardiomiopatia?

As seguintes medidas podem ser tomadas para controlar os sintomas da cardiomiopatia:

  • Ficar longe do tabaco e do álcool
  • Monitorar o peso e se perder peso com excesso de peso deve ser a prioridade
  • Manter uma dieta saudável e equilibrada
  • Restringir o consumo de sal e água
  • Realize exercícios diários mesmo com moderação
  • Tente e administre a quantidade de estresse na vida diária.
  • Durma adequadamente.
  • Tome todos os medicamentos conforme prescrito.

Quais são as complicações da cardiomiopatia?

Algumas das complicações da cardiomiopatia são:

  • Insuficiência cardíaca: Esta é potencialmente uma complicação potencialmente fatal da cardiomiopatia e, portanto, esta condição precisa ser tratada assim que for diagnosticada.
  • Coágulos sanguíneos: Devido ao coração não ser capaz de bombear sangue suficiente, pode haver incidências de coágulos sanguíneos.
  • Defeitos da válvula: Esta é outra complicação potencialmente grave da cardiomiopatia.
Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment