Coração

Como você pode detectar cardiomiopatia hipertrófica?

A cardiomiopatia hipertrófica ou CMH é um estado em que o músculo cardíaco se espessa, especialmente a parede do septo localizada entre o ventrículo esquerdo e direito da câmara cardíaca. Devido a isso, a parede torna-se rígida, causando problemas para o funcionamento normal do funcionamento da válvula aórtica e mitral. Essas duas válvulas garantem que o sangue bombeado pelo coração esteja fluindo na velocidade normal.

Antes de começar a entender como detectar sua presença, reconhecer os sintomas no primeiro será útil. A razão é que muitas pessoas que sofrem de CMH não apresentam sinais. Pelo contrário, alguns com sintomas ver progresso constante no mesmo, o que piora a funcionalidade do coração.

Os sintomas da cardiomiopatia hipertrófica ocorrem independentemente da idade, sexo e etnia. Esses incluem:

Qual é a causa por trás do desenvolvimento de cardiomiopatia hipertrófica ou HCM?

A cardiomiopatia hipertrófica não tem causa conhecida. Em outras palavras, pode se desenvolver no nascimento ou em um estágio posterior da vida. Os fatores críticos que causam um impacto significativo no crescimento são o envelhecimento e a pressão alta.

Como você pode detectar cardiomiopatia hipertrófica?

A detecção ou o diagnóstico de cardiomiopatia hipertrófica é essencial para o curso de ação necessário. Um médico buscará informações sobre o histórico familiar, realizará um exame físico e realizará alguns testes para entender a presença e sua gravidade. Os testes incluem:

Tratar Cardiomiopatia Hipertrófica

Fornecer tratamento a um paciente diagnosticado com cardiomiopatia hipertrófica depende da estreiteza do caminho em que o sangue sai do coração, da funcionalidade do coração e da presença de arritmias (se houver).

O objetivo principal do tratamento fornecido pelo médico visa reduzir os sintomas e complicações. Adicional incluem a detecção de fatores de risco, acompanhamento regular, uso de medicamentos e mudanças no estilo de vida.

Mudanças necessárias no estilo de vida para prevenir cardiomiopatia hipertrófica

Dieta – a dieta desempenha um papel crucial na manutenção da boa saúde geral e reduz os sintomas da cardiomiopatia hipertrófica. Beber oito copos de água, redução de sais de sódio, evitando alimentos processados, aumentando a ingestão de vegetais e frutas frescas, e outras mudanças são necessárias. Falar com o médico em questão será útil na preparação de um menu útil que evite o crescimento dos sintomas e o fator de risco.

Exercício – uma vida sedentária leva aumenta o fator de risco para cardiomiopatia hipertrófica. No entanto, um médico decidirá se uma pessoa é capaz de participar de exercícios ou não. Muitos pacientes que sofrem de CMH participam ativamente de atividades aeróbicas não competitivas. Permitir que um paciente participe do exercício depende dos sintomas e da gravidade.

Visitas de Acompanhamento – uma visita regular de acompanhamento é essencial para uma pessoa. Ajudará o médico a monitorar a situação e entender as mudanças. A frequência das visitas é alta quando uma pessoa testa positivo para cardiomiopatia hipertrófica.

Medicamentos

Os médicos prescrevem medicamentos para aliviar o coração, reduzindo o estresse, controlando os ritmos cardíacos e evitando coágulos sanguíneos. Bloqueadores de cálcio e beta-bloqueadores são as classes essenciais que o médico prescreve para reduzir o nível de obstrução. Uma pessoa que sofre de arritmia recebe medicamentos que reduzem a ocorrência do mesmo. Além disso, o especialista pedirá ainda para evitar certos medicamentos, como os nitratos, pois eles minimizam a digoxina e diminuem a pressão arterial.

Conclusão

A detecção da cardiomiopatia hipertrófica é possível pela compreensão dos sintomas, conforme explicado nos parágrafos acima. Fazer mudanças sutis no estilo de vida e seguir o tratamento da medicação prescrito pelo médico será útil para retardar a germinação dos sintomas.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment