Doença Cardíaca Congênita: Causas, Sintomas, Tratamento

A cardiopatia congênita é um defeito congênito da estrutura do coração com o qual, na maioria dos casos, o paciente nasce. Em tempos passados, a doença cardíaca congênita foi considerada como uma condição potencialmente fatal e o bebê não foi capaz de sobreviver, mas com os avanços feitos no campo da ciência médica e a tecnologia envolvida atualmente, as crianças conseguem sobreviver por muito mais tempo. período de tempo. Mesmo com os avanços consideráveis ​​que a ciência médica tem feito em termos de doença cardíaca congênita, as pessoas ainda não são capazes de obter um acompanhamento adequado, o que é preocupante. Uma vez que você é diagnosticado com doença cardíaca congênita, então é extremamente importante que você obtenha exames regulares com o médico, mesmo se você não estiver tendo quaisquer sintomas.

O que causa a doença cardíaca congênita?

Para entender a doença cardíaca congênita, é vital entender como funciona o coração. O coração é dividido em quatro câmaras, das quais duas à direita e duas à esquerda. A função básica do coração é fornecer sangue para o resto do corpo. Ao fazer isso, o coração faz uso dessas câmaras para diferentes propósitos. O lado direito do coração facilita o movimento do sangue para os pulmões, onde o sangue fica oxigenado e volta para o coração. O lado esquerdo do coração bombeia esse sangue oxigenado para o resto do corpo.

Agora surge a questão de como os defeitos cardíacos se desenvolvem. A resposta para isso é que a maioria dos defeitos do coração se desenvolve enquanto o bebê ainda não nasceu. No início da gravidez, o coração fetal começa a funcionar. À medida que a gravidez progride, várias estruturas do coração se formam e isso geralmente ocorre quando defeitos cardíacos se desenvolvem. Não está totalmente claro o que causa esses defeitos, mas os pesquisadores apontam que certas condições médicas, abuso de substâncias durante a gravidez, alguns medicamentos e até mesmo alguns fatores genéticos também desempenham um papel no desenvolvimento da doença cardíaca congênita.

Outra questão que surge com bastante frequência é que, uma vez que um defeito cardíaco é tratado com sucesso na infância, por que é que a condição reaparece quando o paciente atinge a idade adulta. A resposta para isso é que defeitos cardíacos não são curados, mas reparados e, portanto, há sempre uma chance deles reaparecerem mais tarde na vida.

Quais são os fatores de risco para doença cardíaca congênita?

Alguns dos fatores de risco para o desenvolvimento da cardiopatia congênita são:

Infecção por Rubéola: Se a mãe se infectar com esta infecção durante a gravidez, o risco de a criança nascer com anomalias cardíacas aumenta.

Diabetes Mellitus: Crianças de mães diabéticas também estão em risco de desenvolver doença cardíaca congênita.

Medicamentos: Tomar certas classes de medicamentos durante a gravidez pode aumentar o risco de desenvolver doença cardíaca congênita na criança. Alguns dos medicamentos são isotretinoína usada no tratamento da acne e do lítio usados ​​no transtorno bipolar .

Fatores Genéticos: Alguns estudos sugerem que existe uma ligação genética para o desenvolvimento da cardiopatia congênita

Quais são os sintomas da doença cardíaca congênita?

Doença Cardíaca Congênita se diagnosticada e tratada enquanto uma criança pode permanecer latente por alguns anos sem quaisquer sintomas, mas pode ressurgir como um adulto com o paciente experimentando os seguintes sintomas:

Como é diagnosticada a doença cardíaca congênita?

Se o médico suspeitar que você tem uma doença cardíaca congênita, a primeira coisa que ele fará é realizar um exame físico baseado nos seus sintomas. O médico irá ouvir seu coração para procurar por quaisquer murmúrios anormais. Uma vez realizado o exame físico, o médico solicitará alguns estudos para confirmar o diagnóstico.

Eletrocardiograma: Este teste mostra o batimento cardíaco na forma de impulsos elétricos. Este teste pode mostrar se há alguma anormalidade no ritmo do coração e se o coração está funcionando normalmente.

Ecocardiograma: Este teste faz uso de ondas de ultra-som para observar o funcionamento do coração. Este teste pode identificar com precisão qualquer anormalidade do funcionamento do coração.

Teste de estresse em esteira: Este teste é realizado para descobrir a tolerância ao exercício do paciente e a distância que o paciente pode percorrer na esteira antes que o paciente comece a apresentar sintomas. Isso é muito útil para confirmar o diagnóstico de um bloqueio cardíaco e formular um plano de tratamento.

Cateterismo Cardíaco: Este é um teste minimamente invasivo no qual um cateter é inserido no coração através da perna. Este teste mede com precisão a pressão que é exercida nas câmaras do coração.

Como é tratada a doença cardíaca congênita?

Como doença cardíaca congênita pode ser leve a grave na natureza, portanto, o tratamento depende da gravidade da condição da doença. O primeiro e mais importante tratamento será corrigir a deformidade e prevenir qualquer complicação que o defeito (CHD) possa causar.

Algumas das opções de tratamento para a doença cardíaca congênita podem ser:

Acompanhamento rigoroso: Pequenos defeitos podem exigir apenas observação atenta para verificar o estado do coração e podem não exigir nenhum tratamento agressivo específico

Medicamentos para DAC: em alguns casos, a doença cardíaca congênita requer medicamentos para tratamento. Estes medicamentos facilitam o bom funcionamento do coração. Medicamentos também podem ser administrados para prevenir a coagulação e manter batimentos cardíacos regulares em casos de arritmias.

Em alguns casos, procedimentos cirúrgicos são necessários para controlar os sintomas da doença cardíaca congênita. Estes procedimentos podem ser feitos para implantar um dispositivo que irá controlar a frequência cardíaca em casos de arritmias e até melhorar a função do coração. Alguns dos dispositivos que podem controlar a frequência cardíaca são o marcapasso e um dispositivo ICD. Esses dispositivos ajudam muito na prevenção de complicações que podem surgir devido à doença cardíaca congênita.

Cateterização para DAC: Em alguns casos, a doença cardíaca congênita é reparada por meio de técnicas de cateter, que permitem reparar o defeito sem abrir o tórax e o coração. Neste procedimento, o cirurgião irá inserir um cateter fino através de uma veia da perna no coração. Uma vez que o cateter é posicionado no local do defeito, a deformidade é reparada usando ferramentas especialmente feitas que são inseridas no local através do cateter. O cateter possui uma pequena câmera através da qual o cirurgião é capaz de visualizar claramente o defeito e repará-lo.

Cirurgia Cardíaca Aberta para DAC: Se os cateteres são insuficientes para corrigir o problema, pode ser feita uma cirurgia cardíaca aberta na qual será feita uma incisão na área do tórax e o cirurgião irá para o coração no local onde o defeito está e corrige o problema. deformidade.

Transplante: Se tudo mais falhar e o paciente ainda apresentar sintomas significativos, a única opção que resta é um transplante cardíaco para tratar a doença cardíaca congênita.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment