Coração

A cardiomiopatia periparto é hereditária?

Cardiomiopatia periparto, ou seja, PPCM é um distúrbio cardíaco muito raramente encontrado, que geralmente ocorre no último mês de gravidez ou nos primeiros cinco meses após o parto. Em termos médicos, esse problema também é conhecido como cardiomiopatia pós-parto. Nessa condição, os músculos ao redor do coração se tornam muito fracos e aumentam de tamanho. Isso leva a queda drástica na quantidade de sangue ejetado do ventrículo esquerdo do coração. Isso acaba por dificultar o fluxo normal de sangue e reduz drasticamente o fluxo sanguíneo, assim o coração se torna ineficiente para preencher a quantidade necessária de oxigênio no corpo. Isso também afeta o funcionamento do fígado, pulmões e outros sistemas do corpo.

O problema é a cardiomiopatia periparto é extremamente rara em países como Canadá, EUA e Europa. A pesquisa revelou que todos os anos cerca de 1000 a 1300 mulheres sofrem com este problema. No entanto, em alguns outros países, o problema é comparativamente comum e isso acontece principalmente devido à diferença no estilo de vida, genética e dieta.

Como tal, é muito difícil diagnosticar cardiomiopatia periparto; Isso ocorre porque os sintomas de PPCM se assemelham aos sintomas comuns da gravidez, como inchaço das pernas e pés e falta de ar. Em casos graves, o inchaço torna-se permanente (mesmo após o parto) e o problema da falta de ar torna-se muito grave. No momento do exame, os médicos primeiro tentam identificar os sintomas da presença de líquido nos pulmões. Os médicos fazem uso de estetoscópio para identificar batimentos cardíacos acelerados, som anormal dos pulmões e coração. Além disso, o teste de ecocardiograma ajuda a exibir o funcionamento anormal do coração.

A cardiomiopatia periparto é identificada principalmente quando os critérios abaixo mencionados são atendidos:

  • O paciente desenvolve insuficiência cardíaca no último mês de gravidez ou nos primeiros cinco meses após o parto.
  • O bombeamento do coração reduz drasticamente a fração de ejeção para menos de 45%. Fração de ejeção é o termo que determina a quantidade de sangue bombeado para fora do ventrículo esquerdo após cada contração. Especialistas dizem que a porcentagem de fração de ejeção, ou seja, EF de um indivíduo normal varia entre cinquenta e cinco a setenta por cento.

O exame de sangue é o primeiro passo para avaliar o problema do PPCM. O teste ajuda a identificar o funcionamento do rim, da tireóide e do fígado. Também ajuda a conhecer a quantidade de potássio e sódio no organismo. Além disso, o teste também mostra a contagem total de glóbulos vermelhos no corpo ou qualquer ponto de infecção (se presente) no corpo.

A cardiomiopatia periparto é hereditária?

Algumas das evidências válidas revelam que o problema é hereditário, ou seja, o problema é passado de uma geração para outra. Embora, não em todos os casos, mas na maioria dos casos, o problema exibe o componente genético.

A única maneira de minimizar ou evitar completamente esse problema é tornando o coração mais forte. As mulheres devem deixar de fumar, ingerir álcool, levar uma vida equilibrada e malhar regularmente. Para as mulheres que sofreram este problema, há grandes possibilidades de recorrência deste problema em futuras gestações. Uma coisa importante que toda mulher deve ter em mente é que planejam uma segunda gravidez somente quando se recuperaram completamente da cardiomiopatia periparto, ou seja, recuperaram a força original do coração. Isso facilitará a manutenção da boa saúde da mãe grávida e do feto.

Sintomas

O PPCM não apresenta nenhum sintoma proeminente, mas alguns dos sintomas do problema raramente encontrados incluem:

  • Fadiga
  • Obesidade
  • Palpitações
  • Nocturia, ou seja, aumento súbito da micção noturna
  • Falta de ar
  • Inchaço nos tornozelos e veias do pescoço
  • Pressão sanguínea baixa

A gravidade da cardiomiopatia periparto pode ser classificada em:

  • Classe I – Problema sem exibir nenhum sintoma
  • Classe II – Sintomas leves ou inexistentes com extremo esforço
  • Classe III – sintomas claros com muito menos esforço
  • Classe IV – Sintomas em repouso.

 

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment