Coração

É o terminal de insuficiência cardíaca congestiva?

Insuficiência cardíaca congestiva vem com uma variedade de sintomas físicos que podem funcionar como uma lista de verificação para diagnosticar o transtorno. Eles incluem-

Cansaço:  Um dos primeiros sinais de insuficiência cardíaca congestiva é a queixa de fadiga. Eles podem se sentir cansados ​​com bastante facilidade e podem não ser capazes de realizar qualquer tipo de atividade que exija esforço.

Inchaço e falta de ar:  A retenção de líquidos ocorre devido à incapacidade do coração de bombear o sangue adequadamente na doença cardíaca congestiva. O fluido acumulado leva ao inchaço das mãos, pernas e abdômen. Retenção de líquidos pode levar a falta de ar devido ao acúmulo dela nos pulmões.

Ganho de peso:  Devido à retenção de líquidos, o paciente pode ganhar muito peso em um período de tempo muito pequeno. Quando isso acontece, deve ser relatado ao médico o mais rápido possível.

Micção freqüente:  Pacientes com insuficiência cardíaca congestiva podem ter uma maior necessidade de urinar com freqüência. Os pacientes também podem queixar-se de dor abdominal que ocorre devido ao acúmulo de água no abdômen e nos intestinos.

A insuficiência cardíaca congestiva é uma desordem progressiva que se caracteriza pela incapacidade do coração de bombear o sangue de forma eficiente para todas as partes do corpo. A insuficiência cardíaca congestiva é um problema grave e crônico que requer atenção médica. Esta doença não é terminal se os procedimentos adequados de tratamento forem seguidos no momento certo.

A insuficiência cardíaca congestiva é de natureza progressiva e divide-se amplamente em quatro etapas principais. Eles incluem-

Estágio A –  O paciente tem um risco de desenvolver a doença devido a muitos fatores. Pode ser porque a condição subjacente que o paciente tem pode abrir caminho para a doença cardíaca congestiva se infiltrar. Ter um histórico familiar do transtorno pode ser um fator de risco para um paciente ter a doença. Certos estilos de vida também podem tornar o paciente suscetível à insuficiência cardíaca congestiva.

Estágio B –  O paciente é visto desenvolver um distúrbio estrutural. No entanto, o paciente pode não ter nenhum sintoma do mesmo. Os distúrbios estruturais podem incluir casos de ataque cardíaco, doença valvular ou até mesmo fibrose cardíaca.

Estágio C –  Nesta fase, os sintomas começam a tornar-se vívidos e os pacientes não podem realizar muitas atividades devido à fadiga e falta de ar.

Estágio D –  Este é o último estágio da doença em que o paciente pode não ser capaz de realizar qualquer atividade adequadamente. Ele pode estar precisando de hospitalização freqüente. O médico pode pedir ao paciente que faça uma cirurgia de transplante cardíaco. Outras formas de tratamento especial, como infusões entrópicas, podem ser recomendadas.

Quais sintomas são frequentemente visíveis no estágio final da insuficiência cardíaca congestiva?

Os sintomas de insuficiência cardíaca congestiva no último estágio podem tornar o paciente bastante fraco. O nível de consciência do paciente pode ficar nublado, às vezes. Isso ocorre devido ao nível variável de sódio no sangue. Pode haver extrema falta de ar e fadiga. Os pacientes podem não sentir vontade de comer nada. O corpo pode inchar devido ao acúmulo excessivo de fluido. O paciente pode ter palpitações no coração.

Conclusão

Se o paciente está nos estágios iniciais da doença, a insuficiência cardíaca congestiva pode ser tratada com medicação adequada e adotando um bom hábito de vida. Os estágios avançados da doença podem exigir cirurgias. É importante consultar um médico desde o início, porque os tratamentos precoces são sempre benéficos. Mudanças no estilo de vida podem reduzir a progressão em grande medida e reduzir a ocorrência dos sintomas.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment