Coração

Drogas que são contraindicadas na cardiomiopatia hipertrófica

A cardiomiopatia hipertrófica (CMH) é uma condição na qual os músculos do coração aumentam e engrossam para se tornarem rígidos e menos compatíveis com as mudanças nas pressões diastólicas. As alterações afetam principalmente o ventrículo esquerdo, responsável pelo suprimento de sangue aos tecidos periféricos. A doença é em grande parte genética em etiologia com causas ambientais associadas, como hipertensão, diabetes mellitus e hipertiroidismo .

O risco de desenvolver a doença aumenta com a idade. A cardiomiopatia hipertrófica apresenta características de insuficiência cardíaca descompensada, como inchaço e tosse devido à sobrecarga de fluidos e dificuldade para respirar, entre outras características. A parada cardíaca súbita também é uma apresentação de emergência comum da condição que requer cuidados de emergência.

A doença apresenta vários desafios no diagnóstico e gestão, tais como:

  • Na maioria dos casos, o diagnóstico da doença é retardado devido ao seu período assintomático prolongado e, portanto, os pacientes apresentam estados de doença avançados.
  • Complexidade das diversas alterações hemodinâmicas observadas em diferentes níveis de gravidade da doença.
  • Indicações e contraindicações de vários medicamentos devido às alterações hemodinâmicas da doença.

Alterações hemodinâmicas da cardiomiopatia hipertrófica

Em um coração normal, as câmaras devem relaxar adequadamente na diástole para permitir a entrada de sangue suficiente. Isso forma a base da contração adequada na sístole, conforme descrito pela lei franca que fornece “quanto mais os músculos do coração se alongam, mais a força alcançada na contração”. Da mesma forma, uma passagem suave sem obstrução e insuficiência valvar é vista em um coração normal.

As alterações experimentadas na cardiomiopatia hipertrófica incluem:

Contração e Relaxamento Inadequados: Os músculos espessados ​​do coração se contraem e relaxam inadequadamente. Portanto, não há preenchimento insuficiente das câmaras com sangue durante a diástole e, consequentemente, bombeamento insuficiente de sangue durante a sístole, resultando em redução do débito cardíaco e características de insuficiência cardíaca em casos extremos. Isso é agravado pelo endurecimento das válvulas que se tornam flexíveis e regurgitantes. Este tipo de cardiomiopatia é conhecido como cardiomiopatia hipertrófica não obstrutiva (HNOCM)

Contração da Passagem Sanguínea: O espessamento leva à contração das passagens sangüíneas e, portanto, causa cardiomiopatia hipertrófica obstrutiva (HOCM).

Baixa atividade elétrica: Os músculos mal conduzem a atividade elétrica do coração e, portanto, podem levar a arritmias.

Tratamento Farmacológico da Cardiomiopatia Hipertrófica

Dadas as alterações hemodinâmicas acima, o tratamento deve ter como objetivo diminuir o gradiente de pressão ao longo das vias de saída ventricular e reduzir a atividade ionotrópica dos corações, principalmente nos estados obstrutivos. Assim, as drogas de escolha incluem drogas com atividade de β-bloqueadores que funcionam prolongando o tempo de enchimento diastólico e, portanto, reduzindo a freqüência cardíaca e melhorando a obstrução.

Em um caso em que os β-bloqueadores não são eficazes, os bloqueadores dos canais de cálcio do tipo verapamil são recomendados, já que se demonstrou que eles melhoram a função diastólica. Amiodarona é o único agente que provou ser benéfico na redução da ocorrência de arritmias.

Contraindicações relativas existem no uso de diuréticos, como hidroclorotiazida e inibidores da enzima conversora de angiotensinogênio (IECAs), como enalapril e lisinopril. Essas drogas são seguras, desde que seja feita uma monitorização cuidadosa e, uma vez documentada a lesão obstrutiva, os medicamentos devem ser descontinuados.

A contra-indicação absoluta é preconizada com o uso de nitratos, bloqueadores dos canais de cálcio tipo nifedipina e drogas ionotrópicas positivas, como os digitálicos. Essas drogas demonstraram aumentar o débito cardíaco em um coração comprometido, piorando, assim, a obstrução da via de saída e, consequentemente, as manifestações da insuficiência cardíaca.

Conclusão

Em resumo, a cardiomiopatia hipertrófica é uma doença comum, em grande parte genética, mas com etiologias ambientais associadas cujo diagnóstico e tratamento podem ser desafiadores. É de suma importância documentar a presença ou ausência de uma lesão obstrutiva e a fração de ejeção no momento do diagnóstico, pois elas formam a base da terapia farmacológica. Nitratos, IECA, bloqueadores dos canais de cálcio tipo nifedipina e inotrópicos positivos são contraindicados no tratamento dessa doença, pois aumentam o débito cardíaco e pioram as características da obstrução ventricular do fluxo.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment