Coração

Quanto tempo de descanso é necessário após a cirurgia de bypass?

A primeira fase de recuperação após a cirurgia de bypass requer que o paciente tenha pelo menos um mínimo de 8 semanas de descanso. O caso é válido para aqueles que foram submetidos a cirurgia cardíaca a céu aberto. O avanço no campo da medicina forneceu novas técnicas que estão ajudando o cirurgião a concluir a tarefa rapidamente, com rápida recuperação.

Após a alta do hospital, o paciente recebe as orientações necessárias do médico. Segui-los é essencial para melhorar a condição e manter uma boa saúde. Acompanhamento indevido levará ao desenvolvimento de infecções ou sangramento, resultando em uma emergência ou certas circunstâncias, a morte.

Tratamento de feridas

O cirurgião faz uma incisão do esterno para expor o coração e realizar a cirurgia de bypass. Após a conclusão, o médico fecha a incisão e coloca o paciente em unidade de terapia intensiva por um ou dois dias. Depois de mudar para a enfermaria geral, é crucial que o paciente mantenha uma condição higiênica da região da incisão. Mantê-lo limpo e seco impede a ocorrência de infecção.

Dependendo do progresso da recuperação da cirurgia de derivação, o paciente estará em posição de tomar banho. No entanto, é necessário procurar assistência médica imediata ao perceber os seguintes sinais:

  • Aumento na drenagem
  • Vermelhidão ao redor do corte.
  • Febre aumentada.
  • Bordas da incisão se separando.

Também é crucial falar com o médico quando um paciente sentir a sensação de deslocamento do esterno ou sentir um som estridente durante o movimento.

Alívio da dor

É comum o cirurgião fornecer medicamentos prescritos para o paciente de cirurgia de bypass antes da alta. É comum que todos os pacientes sintam dormência ao longo da incisão com sensação de coceira. No entanto, não faz mal como aconteceu antes da operação. Se o cirurgião utilizou veias da perna para enxerto, então o paciente terá excesso de dor nas pernas e não no peito. A rigidez e dor sentidas pelo paciente passarão com o tempo. Para aliviar ainda mais a dor, o exercício prescrito pela equipe de reabilitação será útil.

Atividade e Condução

É necessário que o paciente construa força participando gradualmente de atividades regulares, como tarefas domésticas. Médicos recomendam:

  • Não puxar ou levantar objetos pesados.
  • Não ficar em um único lugar por mais de 15 minutos.

A rotina diária inclui caminhar por pelo menos 30 minutos. Para aqueles que sentem dificuldade em caminhar regularmente, é recomendável agendar uma hora de caminhada por três vezes em uma semana. Caminhar ajuda a melhorar o fluxo sanguíneo, juntamente com a melhora da respiração. Até que o médico diga ao paciente para subir as escadas, é preferível ficar longe do mesmo.

Além disso, é crucial assistir à consulta nos intervalos prescritos, pois isso ajuda o médico a entender o progresso. O cirurgião também pode recomendar alguns testes de diagnóstico para monitorar a atividade. Dependendo disso, o médico também nos informará se está tudo bem para o paciente dirigir um veículo. Se o paciente foi submetido a cirurgia minimamente invasiva, é provável que o paciente consiga dirigir um veículo mais cedo.

Dieta

Dependendo da cirurgia de bypass, problemas de saúde subjacentes e observação pós-operatória, o médico informará sobre mudanças na dieta. Normalmente, o médico refere-se a um nutricionista que muda as opções para garantir que o corpo receba nutrientes, gorduras, proteínas e vitaminas apropriados. Uma dieta adequada é essencial para acelerar o processo de cura.

É difícil para qualquer paciente consumir alimentos nos primeiros dias após a cirurgia. Portanto, a dieta inclui refeições e líquidos menores, o que preenche a exigência de nutrientes essenciais.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment