Coração

Quanto tempo uma pessoa pode viver com insuficiência cardíaca congestiva?

A expectativa de vida do paciente com insuficiência cardíaca congestiva não sofreu muito dos avanços nos últimos anos. Os procedimentos de tratamento são conhecidos por sofrer muitas melhorias. No entanto, a expectativa de vida da doença permanece quase a mesma. Sabe-se que os pacientes com estágios iniciais da doença vivem em uma média de cinco anos, enquanto os pacientes que sofrem dos últimos estágios da doença vivem não mais de um ano. Assim, o diagnóstico precoce, juntamente com o tratamento precoce, é igualmente importante.

Qual é o prognóstico geral da insuficiência cardíaca congestiva?

A insuficiência cardíaca congestiva é uma doença progressiva e é demarcada em quatro classes. Com a progressão para a próxima aula, a condição do paciente deteriora-se.

Classe I – A insuficiência cardíaca geralmente não é sintomática além da queixa de fraqueza do paciente.

Classe II – Os pacientes com insuficiência cardíaca congestiva evitam atividades extenuantes, levando à palpitação e fadiga do coração.

Classe III – Pacientes com insuficiência cardíaca congestiva de Classe III são bastante sintomáticos, onde a maioria das atividades fica limitada devido à fraqueza.

Classe IV – A ICC é caracterizada por sintomas graves em que o paciente não consegue nem realizar atividades básicas de vida e sentir palpitações cardíacas graves e falta de ar .

O prognóstico geral da doença varia principalmente de paciente para paciente, porque uma fusão de fatores leva à doença. No entanto, o que pode ser definitivamente dito é se os sintomas são levados a notar em um estágio anterior, que é seguido por um diagnóstico precoce. O prognóstico será muito melhor em comparação com o diagnóstico tardio.

O diagnóstico precoce e o tratamento precoce são eficazes na redução dos sintomas, para que o paciente possa ter uma vida de qualidade.

Como viver com insuficiência cardíaca congestiva?

Para viver com insuficiência cardíaca congestiva, é preciso fazer certas mudanças de estilo de vida para viver uma vida de qualidade, juntamente com tratamento médico.

Dieta com baixo teor de sódio: dieta com baixo teor de sódio deve ser seguida por pacientes com insuficiência cardíaca congestiva. Pacientes com tal distúrbio são propensos a retenção de água e edema, assim o teor de sódio deve ser reduzido, pois facilita a retenção de água.

Álcool: O consumo de álcool também deve ser restrito e limitado, pois o álcool pode causar danos aos músculos do coração.

Exercício: O exercício ajuda a manter a circulação sanguínea uniforme e também ajuda a manter o funcionamento do coração. Assim, qualquer forma de exercício aeróbico pode ser útil. No entanto, é preciso ser consistente e regular com o exercício. Além disso, é importante falar sobre o plano de exercícios com o médico antes de começar.

Mantendo o peso adequado: O paciente deve manter o controle de seu peso corporal. O aumento de peso pode ser um sinal de retenção de água no corpo. Assim, é importante manter a verificação do peso corporal para garantir que não haja acúmulo excessivo de fluido. Se houver um aumento anormal do peso corporal dentro de alguns dias, deve ser comunicado ao médico o mais cedo possível.

Monitoramento da ingestão de líquidos: É importante que o paciente monitore a ingestão de líquidos por dia, pois a ingestão excessiva de líquidos pode levar à sua acumulação no corpo. Discussões devem ser feitas pelo médico sobre o nível médio e máximo de ingestão de líquidos ao longo do dia.

Conclusão

Com os avanços nos procedimentos de tratamento, tratamentos precoces são vistos como benéficos, comparados ao tratamento de última hora para insuficiência cardíaca congestiva. Assim, é aconselhável consultar um médico em caso de sintomas mínimos como falta de ar na fase inicial, para que o tratamento possa ser iniciado o mais cedo possível.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment