Enfisema é a mesma coisa que a doença pulmonar intersticial?

Enfisema é a mesma coisa que a doença pulmonar intersticial?

O enfisema consiste em uma dilatação anormal e permanente dos espaços aéreos resultante da destruição do tecido alveolar, enquanto as doenças pulmonares intersticiais resultam em uma alteração das estruturas alveolo-intersticiais, ou seja, afetam o epitélio, as paredes alveolares, o endotélio capilar e o tecido conjuntivo (perilinfático e perivascular) compreendido entre os septos e localizado no tecido peribronquiolar.

A doença pulmonar intersticial (DPI) é um grupo complexo de distúrbios pulmonares, principalmente do interstício pulmonar, e inclui fibrose pulmonar idiopática, pneumonite por hipersensibilidade, sarcoidose e doença do tecido conjuntivo associada a doença pulmonar intersticial.

A doença pulmonar intersticial é um grupo heterogêneo de condições com diferentes prognósticos e apresentações clínicas. Muitos estão associados a maior morbidade e mortalidade – por exemplo, a sobrevida de pacientes com fibrose pulmonar idiopática (FPI) é <3 anos, enquanto a pneumonia intersticial aguda pode ser rapidamente fatal. Outras doenças, como a sarcoidose, podem retornar sem tratamento.

É importante que os médicos da atenção primária consultem o especialista o quanto antes, confirmando o diagnóstico e o prognóstico e escolham a estratégia de manejo mais apropriada. No entanto, um estudo de coorte de pacientes com FPI identificou um lapso médio desde o início da dispneia até o encaminhamento para o especialista de 2,2 anos. Esse atraso foi associado a um maior risco de morte, independentemente da gravidade da doença. Diagnóstico e classificação também afetam a possibilidade de entrar em muitos ensaios farmacológicos em andamento.

A classificação das DPIs é complexa, refletindo a diversidade dos fatores causais subjacentes e os diferentes achados histopatológicos. Embora a maioria dos distúrbios seja caracterizada por vários graus de inflamação ou fibrose do interstício pulmonar (a estrutura do tecido conjuntivo de todo o pulmão), alguns como pneumonite intersticial descamativa e proteinose alveolar são caracterizados pela ocupação do espaço aéreo. Alguns podem ser principalmente inflamatórios, como a sarcoidose, enquanto outros, como a FPI, são principalmente fibróticos e podem estar associados a uma distorção extensa da arquitetura pulmonar e perda de volume.

A gama de fatores causais atribuídos à DIP inclui doenças do tecido conjuntivo e exposição ambiental ocupacional, como trabalhadores de asbesto, drogas tóxicas e radiação. A FPI é a mais comum do grupo de pneumonia intersticial idiopática, que são IDP de etiologia desconhecida e são classificadas principalmente de acordo com os achados histológicos.

Por outro lado, o enfisema pulmonar é definido como a dilatação anormal e permanente dos espaços aéreos resultante da destruição do tecido alveolar, identificada pela dispneia em repouso ou com esforços leves que denotam o grau de acometimento.

Do ponto de vista anatomopatológico, o enfisema é o aumento anormal dos espaços aéreos distais aos bronquíolos terminais, com a destruição da parede do alvéolo, o que leva a uma diminuição da função respiratória, sendo o enfisema uma complicação mais grave.

Causas do enfisema

Enfisema pode ser devido a duas causas que são mencionadas:

  1. Enfisema Hereditário : Causado pela deficiência da alfa-1 anti-protease, esta não protege o tecido conjuntivo do pulmão de todas as alterações que produzem proteases.
  2. Enfisema Adquirido : Assim como o enfisema obstrutivo ou broncogênico, este é apresentado pela alteração alveolar progressiva com ruptura de sua parede que dificulta a saída do ar inspirado. Neste grupo são:

– Enfisema Toxogênico : produzido por alterações estruturais da caixa torácica típica da velhice, produzindo a degeneração dos discos cartilaginosos intervertebrais e o achatamento da parte anterior dos corpos vertebrais, o diâmetro ântero-posterior do tórax é aumentado e o pulmão tende a se estender nessa direção.

– Enfisema Primitivo : Cuja causa é desconhecida e não obedece à existência de mecanismos valvares, o colágeno e a elastina do tecido pulmonar desaparecem pouco a pouco e na radiografia não é possível perceber a estrutura pulmonar (pulmão evanescente).

– Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) : Ocorre quando a produção de anti-tripsina alfa-1 é normal, mas devido ao acúmulo excessivo de proteases, devido à fumaça produzida pelo tabaco, os macrófagos liberam radicais livres que inativam ao anti-tripsina alfa-1 e a concentração de antiprotease terminam, causando uma variação no equilíbrio do alvéolo, mostrando um alvéolo distendido com funcionalidade prejudicada.

Leia também:

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment