Existe uma cura para a hipertensão pulmonar?

A hipertensão pulmonar (HP) é uma doença progressiva, com risco de vida, na qual há pressão arterial elevada nas artérias que irrigam os pulmões. Os vasos sanguíneos afetados com hipertensão pulmonar são artéria pulmonar, veia pulmonar e capilares pulmonares. O fluxo sanguíneo do coração para os pulmões é interrompido devido à constrição nos vasos sanguíneos causando pressão arterial pulmonar elevada. As pressões normais nas artérias pulmonares são de 15 a 30 mmHg de pressão sistólica e de 4 a 12 mmHg de pressão diastólica. Se a pressão for maior que 30/12 mm Hg, então é conhecida como hipertensão pulmonar.

O diagnóstico de hipertensão pulmonar é difícil de fazer, pois os sintomas da hipertensão pulmonar freqüentemente se sobrepõem a outras doenças do coração e do pulmão, como fadiga , dor torácica , tontura, falta de ar, taquicardia. Portanto, não é diagnosticado até que se torne muito grave, levando a um mau prognóstico da doença. As diferentes abordagens diagnósticas incluem testes de função pulmonar, certos exames de imagem, como cateterismo cardíaco direito, ecocardiograma (ultrassonografia cardíaca), radiografia de tórax, tomografia computadorizada, eletrocardiograma, teste ergométrico e tomografia pulmonar por medicina nuclear. O plano de tratamento baseia-se nos resultados destes testes, uma vez que estes testes também ajudam a descobrir a causa da doença.

Existe uma cura para a hipertensão pulmonar?

A hipertensão pulmonar é uma doença progressiva, que ameaça a vida se não for tratada, com uma taxa de sobrevivência de apenas 2 a 3 anos na ausência de tratamento. Houve avanços nas modalidades de tratamento com a taxa de sobrevivência subindo para 5 a 10 anos e mais medicamentos no mercado. Infelizmente, não há tratamento definitivo / cura para a hipertensão pulmonar. O objetivo do tratamento é focado em retardar / retardar o progresso da doença, melhorando a qualidade de vida do paciente com medicamentos. O objetivo do tratamento é tratar a causa subjacente e reduzir os sintomas de pressão pulmonar elevada nos vasos sanguíneos, a fim de melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

Existem várias opções de tratamento que incluem:

Medicamentos orais

A prostaciclina analógica reduz a pressão arterial pelo relaxamento dos vasos sanguíneos pulmonares. O relaxamento dos vasos sanguíneos provoca aumento do fluxo sanguíneo para os pulmões, reduzindo assim a carga de trabalho no coração. A prostaciclina utilizada é o treprostinil, que pode ser tomado por via oral (Orenitram), inalado (Tyvaso), IV (Remodulina) e subcutâneo.
Os Antagonistas dos Receptores de Endotelina (ERAs) são um grupo de medicamentos que previnem o estreitamento dos vasos sanguíneos ou a vasoconstrição. São geralmente tomados por via oral e os vários ERAs utilizados são ambrisentano (Letairis), macitentano (Opsumit) e bosentano (Tracleer).

Inibidores da fosfodiesterase-5 (inibidores de PDE 5 causam vasodilatação dos vasos sanguíneos pulmonares por aumento de cGMP e NO. Os inibidores de PDE 5 utilizados são o sildenafil (Revatio) e o tadalafil (Adcirca) na forma oral.

O Agonista Receptor Seletivo IP ajuda a relaxar os vasos sangüíneos nos pulmões ativando o receptor da prostaciclina. O exemplo é selexipag (Uptravi) tomado por via oral.

A guanilato ciclase solúvel (sGC) relaxa os vasos sanguíneos pulmonares aumentando a interação de sGC com NO. Exemplo inclui riociguat (Adempas).

Os medicamentos intravenosos utilizados são Flolan (epoprostenol), Remodulin e Veletri para alívio sintomático da dor torácica e falta de ar. Ventavis e Tyvaso são usados ​​na forma inalada para alívio da falta de ar.

As opções convencionais de tratamento incluem bloqueadores dos canais de cálcio que ajudam na diminuição da pressão arterial. Diluentes de sangue (anticoagulantes) que impedem a coagulação do sangue também são usados ​​na forma de varfarina (Coumadin). A digoxina ajuda no melhor bombeamento do coração, aumentando a força de contração do músculo cardíaco. A pressão sangüínea elevada nos vasos pulmonares (capilares) causa vazamento de líquido nos espaços intersticiais e em outras partes do corpo, levando ao inchaço. Diuréticos são usados ​​para remoção de fluido extra e para reduzir o inchaço. O paciente também pode ser colocado em oxigênio artificial, se necessário.

Casos graves de HP que não respondem a medicamentos podem considerar opções de transplante de pulmão ou septostomia atrial (fazendo buracos entre o coração direito e esquerdo), que carregam seu próprio risco e efeitos colaterais. Terapias mais recentes, como a terapia com células-tronco, também estão sendo pesquisadas.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment