O que causa a atelectasia de compressão?

O termo atelectasia está associado ao colapso de uma região periférica do pulmão, segmentar ou lobar, ou ao colapso maciço de um ou ambos os pulmões, o que motiva a impossibilidade de realizar trocas gasosas.

Esta situação anômala é uma conseqüência de diferentes distúrbios pulmonares ou extrapulmonares, portanto, esta entidade patológica não é uma doença per se, mas a manifestação de uma patologia pulmonar subjacente.

O que causa a atelectasia de compressão?

Nas atelectasias de compressão, o colapso pulmonar ocorre porque o parênquima é comprimido por uma causa extrínseca, resultando na saída de ar alveolar através das vias aéreas permeáveis.

No colapso por contração ou cicatrização, ocorre diminuição do volume pulmonar, devido à presença de alterações locais ou tumores fibrosos generalizados no pulmão ou pleura, impedindo sua completa expansão.

Quando o pulmão retrai, a pressão intrapleural torna-se negativa, levando ao desvio das estruturas mediastinais em direção ao lado afetado para compensar a perda de volume, causando também hiperinsuflação compensatória das áreas pulmonares não acometidas.

Os sintomas que ocorrem em uma atelectasia dependem fundamentalmente de dois fatores: a doença subjacente e a magnitude da obstrução. Às vezes, a atelectasia pode não apresentar sintomas, a menos que a obstrução seja importante.

Existe uma grande variabilidade em relação às manifestações clínicas e também dependerá dos fatores causais das atelectasias.

Qualquer que seja a causa de atelectasia, compressão externa, obstrução intrabronquial ou inativação ou ausência de surfactante, o colapso é acompanhado pela absorção do ar contido nos alvéolos, associado à perda de volume da área afetada.

A atelectasia compromete o funcionalismo pulmonar, seja qual for a patologia que o produz, causando alterações na mecânica pulmonar e, portanto, na troca gasosa.

Existe um comprometimento na “complacência pulmonar” (complacência = volume / pressão), afetando essa elasticidade pulmonar em relação à duração do colapso pulmonar, já que a maior duração da atelectasia, maiores pressões de insuflação serão necessárias para alcançar uma expansão do quadro. territórios colapsados.

As resistências elásticas apresentadas pelos pulmões do adulto e da criança são semelhantes, no entanto, a parede torácica da criança é mais distensível, e a retração dessa parede contribui para criar uma dificuldade em insuflar os pulmões em relação ao adulto, portanto em Estes pequenos o trabalho necessário para introduzir um volume de ar nos pulmões é superior em relação ao adulto.

O mecanismo fisiopatológico da formação de atelectasias é diferente dependendo da causa do colapso.

No caso de atelectasia por obstrução brônquica, o ar contido nos alvéolos é reabsorvido, pois a pressão parcial destes é menor que a pressão do sangue venoso, resultando na passagem dos gases alveolares para o sangue, até completa colapso.

A sintomatologia que podemos encontrar no curso evolutivo da atelectasia de compressão é a seguinte:

-A Tosse: Ocorre quando a obstrução está aumentando em frequência e intensidade como um mecanismo defensivo, por tentar resolver o obstáculo.

– Hemoptise : Pode aparecer quando a causa é a aspiração de um corpo estranho ou processos infecciosos.

– Dispneia , cianose e estridor: Evidente quando ocorre estenose das vias aéreas.

– Dor Torácica e Febre: devido a superinfecção secundária de atelectasia.

– Deslocamento mediastinal e Ruído Cardíaco: No caso de atelectasia maciça ocorre essa mudança para o lado afetado, sendo este achado mais frequente em crianças pequenas, devido à maior mobilidade do mediastino que possuem.

Diagnóstico

O diagnóstico de atelectasia por compressão deve começar com a realização de uma história clínica completa, seguida de um exame minucioso do paciente, após o qual os médicos investigarão a etiologia do processo.

O diagnóstico de atelectasia por compressão em crianças tem muitas dificuldades e um alto nível de suspeita clínica é necessário para excluir atelectasias em crianças com sintomas agudos ou crônicos do trato respiratório.

Conclusão

A atelectasia de compressão é um sinal de doença, mas não sugere “per se” um diagnóstico específico. Pode ser localizado em qualquer segmento de lobo ou pulmão, sendo os lobos inferior e direito e esquerdo aqueles que colapsam com mais frequência.

O colapso pulmonar ocorre principalmente em atelectasias de compressão, pois o parênquima é comprimido por uma causa externa.

Leia também:

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment