Pneumonia pode levar à hipertensão pulmonar?

Pneumonia pode levar à hipertensão pulmonar?

A hipertensão pulmonar (HP) é definida como a presença de uma pressão pulmonar média (PAPm) maior que 25 mmHg medida por cateterismo cardíaco.

Hipertensão pulmonar é vista com relativa frequência em unidades de terapia intensiva. Apesar disso, sua transcendência só recentemente foi reconhecida.

Manifesta-se de duas formas : como o agravamento de uma condição pré-existente ou como um processo de novo que complica uma condição aguda (pneumonia, insuficiência cardíaca, entre outros).

Nesta última situação o diagnóstico não é fácil, já que os valores de pressão detectados não são muito altos, pois o ventrículo direito é uma câmara de volume, com paredes finas e não tem possibilidade de gerar valores superiores a 50 mmHg de pressão sistólica. ou 40 mmHg de pressão média. Indivíduos com valores mais elevados têm alguma doença prévia que condicionou o ventrículo direito de modo a poder suportar pressões mais elevadas.

A Patogênese da Hipertensão Pulmonar Aguda Basicamente é Baseada em :

  1. Aumento da resistência vascular pulmonar (RVP).
  2. Aumento do fluxo sanguíneo pulmonar.
  3. Uma combinação dos dois mecanismos precedentes.
  4. Aumento da pressão venosa pulmonar.
  5. Fatores genéticos que fazem com que alguns pacientes tenham uma resposta exacerbada da vasculatura pulmonar a certos estímulos.

A RVP depende de vários fatores : compressão extrínseca produzida pela pressão intra-alveolar e pressão intrapulmonar, remodelando o envolvimento precoce da parede vascular, favorecido pelo aparecimento de músculo liso na parede das pequenas artérias distais da árvore vascular pulmonar, a formação de microtrombos em a luz e a atividade de mediadores como óxido nítrico (NO) e prostaciclinas de ação vasodilatadora, endotelina-1, tromboxane e serotonina, efeito vasoconstritor, além de outros ainda em estudo.

Todas as formas de hipertensão pulmonar podem se apresentar em um paciente agudo. O diagnóstico diferencial deve ser sempre considerado; a chave para o diagnóstico é obter um histórico médico completo, embora, finalmente, em todos os casos, quando a hipertensão pulmonar comprometa o ventrículo direito (VD) ao descompensar o paciente, o comportamento será a tentativa de diminuir a pressão pulmonar e preservar RV.

A importância da hipertensão pulmonar geralmente passa despercebida ou desqualificada em um paciente que sofre de outra doença grave e que pode estar em ventilação mecânica. Quando a função do VD se deteriora, o diagnóstico é mais difícil porque as pressões pulmonares diminuem progressivamente e o que à primeira vista pode ser interpretado como uma melhora pode, na verdade, ser o início do colapso circulatório.

Por outro lado, a pneumonia é uma doença respiratória aguda, de origem infecciosa, que compromete o parênquima pulmonar causado pela invasão de microrganismos patogênicos (vírus, bactérias, fungos e parasitas).

A pneumonia da comunidade adulta apresenta evolução aguda, caracterizada pelo comprometimento do estado geral, febre, calafrios, tosse, expectoração mucopurulenta e dificuldade respiratória; associados no exame físico para taquicardia, taquipnéia, febre e sinais focais no exame pulmonar. A probabilidade de um paciente com sintomas respiratórios de pneumonia depende da prevalência da doença no ambiente em que ocorre e das manifestações.

O diagnóstico de pneumonia é clínico-radiográfico : a história clínica e o exame físico sugerem a presença de uma infecção pulmonar, mas o diagnóstico é confirmado quando a presença de infiltrados é demonstrada na radiografia de tórax. Os achados clínicos e radiológicos do tórax não permitem predizer com certeza o agente etiológico da infecção pulmonar; os sintomas, sinais, características clínicas e achados radiográficos se sobrepõem entre os diferentes agentes causadores (bactérias clássicas e atípicas, vírus respiratórios).

A radiografia de tórax permite confirmar o diagnóstico clínico, estabelecer sua localização, extensão e gravidade, além de possibilitar a diferenciação da pneumonia de outras patologias, detectar possíveis complicações e ser útil no acompanhamento de pacientes de alto risco.

Conclusão

A hipertensão pulmonar tem sido associada a doenças respiratórias, como pneumonias intersticiais idiopáticas e doença pulmonar obstrutiva crônica. A pneumonia intersticial não específica é uma entidade patológica de pneumonias intersticiais idiopáticas, das quais não há dados ou publicações associadas à HP.

Embora algumas formas de pneumonia tenham sido relacionadas, elas provavelmente não são causa de hipertensão pulmonar.

Leia também:

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment