Quem está em risco de desenvolver glaucoma?

Reduzir os casos de glaucoma é um desafio em todo o mundo. Esta doença causou, até agora, um saldo de aproximadamente 8 milhões de cegos de ambos os olhos.

O fato de a prevalência real da doença estar aumentando não é devido a um aumento no número de casos, mas porque a população em risco está aumentando. Por exemplo, na China, a proporção de pessoas de idade propensas ao glaucoma está se expandindo dramaticamente, e o mesmo ocorre na Índia e no sul da Ásia. Atualmente, as pessoas vivem mais.

O glaucoma é a segunda causa de cegueira no mundo após a catarata. No entanto, o glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível. Estima-se que 8,4 milhões de pessoas foram cegas de ambos os olhos, por causa do glaucoma em 2010. Até 2020, esse número terá subido para 11,1 milhões.

A chave para prevenir a cegueira causada pelo glaucoma é o diagnóstico e tratamento efetivo de pacientes em risco em países desenvolvidos e em desenvolvimento. No entanto, o tratamento da doença é um desafio em algumas áreas, como na China, Índia e África, onde os pacientes geralmente não são diagnosticados ou não têm acesso aos cuidados necessários ou tratamentos acessíveis.

O glaucoma é uma doença de tratamento dispendiosa, e a recente crise econômica prejudicou severamente o acesso econômico aos serviços de saúde nos países em desenvolvimento.

Além dos custos de medicação e cirurgia, outros fatores que podem ser muito caros a longo prazo, como transportar pacientes para cumprir consultas e diminuir a produtividade do paciente devido a perda visual, podem ser desconsiderados.

Nos países em desenvolvimento, o custo do tratamento tem sido um problema sério.

Na África, o problema da viabilidade econômica e do acesso aos cuidados de saúde é evidente devido ao aumento da taxa de adultos com danos causados ​​pelo glaucoma.

Table of Contents

Quem está em risco de desenvolver glaucoma?

As mulheres têm taxas mais altas de glaucoma do que os homens, o que possivelmente desempenha um papel muito importante em relação à cegueira causada pela doença.

Dois terços dos cegos devido ao glaucoma são mulheres. É provavelmente porque as mulheres têm uma vida média maior do que os homens. Além disso, certos aspectos culturais podem influenciar o tratamento médico que as mulheres recebem em certas comunidades.

Raça também desempenha um papel na doença. Indivíduos de etnia asiática terão formado em 2010, 47% da população total de casos com glaucoma de ângulo aberto e 87% dos casos com glaucoma de ângulo fechado. Estudos também mostraram que populações negras têm um risco maior de glaucoma de ângulo aberto do que populações brancas.

A raça pode afetar a gravidade da doença, especialmente em países em desenvolvimento, onde o acesso ao tratamento é limitado.

Na África, o glaucoma é uma “doença mortal”, de acordo com estudos que sugerem que pessoas cegas são quatro vezes mais propensas a morrer do que as pessoas com visão. As mulheres com deficiência visual apresentaram uma taxa de mortalidade mais alta que os homens com o mesmo problema.

Um método importante para reduzir a incidência da doença é o desenvolvimento de opções cirúrgicas novas e mais seguras. Também é necessário continuar pesquisando opções acessíveis de tratamento médico que não exijam essa adesão estrita do paciente. Isso também contribuiria para a solução do problema.

Em conclusão, algumas pessoas correm um risco maior do que o normal para o glaucoma. Isso inclui pessoas que:

  • Tem mais de 40
  • Ter parentes com glaucoma
  • São descendentes de africanos, hispânicos ou asiáticos
  • Tem alta pressão ocular
  • Tem hipermetropia ou miopia
  • Sofreu uma lesão no olho
  • Uso prolongado de esteróides
  • Tem córneas finas no centro
  • Sofre de restrição do nervo ótico
  • Tem diabetes, pressão alta, enxaquecas, má circulação sanguínea ou outros problemas de saúde que afetam todo o corpo.
  • Os adultos jovens também podem ter glaucoma. Os afro-americanos são particularmente suscetíveis a isso em idade precoce.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment