O priapismo irá embora?

Do ponto de vista clínico, o priapismo é definido como uma ereção prolongada e dolorosa, não relacionada ao desejo sexual.

Existe um equilíbrio desequilibrado entre o influxo arterial e a drenagem venosa do pênis. O estado de ereção é limitado aos corpos cavernosos, sem afetar o corpo esponjoso ou a glande, como acontece na ereção fisiológica.

Desde a introdução de injeções intracavernosas de drogas vasoativas na prática médica, a incidência de priapismo aumentou enormemente, tornando-se uma entidade relativamente freqüente. Foi descrito em todos os grupos e idades.

O priapismo venoso-oclusivo é uma emergência, por isso é importante conhecer sua fisiopatologia, diagnóstico e tratamento dessa entidade que, se não identificada adequadamente, pode determinar o aparecimento de uma impotência definitiva para o paciente.

Para uma resposta erétil normal, deve haver um equilíbrio hemodinâmico entre o suprimento arterial e a drenagem venosa dos corpos cavernosos. A quebra desse equilíbrio causa o priapismo.

Basicamente, dois mecanismos fisiopatológicos responsáveis ​​foram descritos. Como veremos, cada um deles oferece um mecanismo etiológico, prognóstico e tratamento diferentes.

O priapismo é uma emergência médica e, portanto, o paciente deve ser tratado imediatamente. No entanto, o priapismo pode resolver espontaneamente, o que ocorre com mais frequência na criança, por isso às vezes não precisa de tratamento. É aconselhável estabelecer um período de espera razoável (3 a 4 horas), após o qual será necessário iniciar o tratamento.

Priapismo de Alto Fluxo, Pulsátil ou Não-Isquêmico

A manutenção da ereção não se deve a um relaxamento muscular ativo dos corpos cavernosos, mas a um fluxo arterial permanentemente aumentado, sendo a drenagem venosa normal, mas insuficiente para provocar a detumescência (processo de diminuição da ereção após o orgasmo e a ejaculação). A ausência de estase sanguínea, o que significa desacelerar ou acumular sangue, explica sua boa tolerância. Geralmente é causada por trauma arterial ou peniano com laceração da artéria cavernosa ou de um dos seus ramos.

Nesse tipo de priapismo, as lesões cavernosas são menos graves e exigem muito mais tempo para serem estabelecidas do que aquelas com baixo fluxo. Portanto, a evolução é favorável para a manutenção subsequente da função sexual.

Baixo Fluxo, Estase ou Priapismo Isquêmico

Essa forma de priapismo é a mais frequente e a que tem maior potencial para causar uma alteração permanente na função erétil do pênis. No priapismo veno-oclusivo há obstrução parcial ou total da drenagem dos corpos cavernosos. Uma vez que estes tenham atingido sua expansão máxima, a obstrução impede o influxo de sangue arterial e, portanto, um estado isquêmico é estabelecido dentro dos corpos cavernosos.

  • Apresentação clínica
  • Vêneto Oclusivo Priapismo

O paciente vai agitado até a sala de emergência, com uma ereção dolorosa que dura várias horas. Exceto nos casos associados à injeção intracavernosa, o paciente geralmente nota pela primeira vez a ereção prolongada ao acordar, no meio da noite ou depois de ter relações sexuais. Essa relação temporal com as ereções noturnas ou sexuais sugere que, em muitos casos, a alteração primária que leva ao priapismo é a interferência nos mecanismos fisiológicos que regulam a detumescência da ereção. O pênis geralmente apresenta ereção completa e é doloroso ao toque.

Priapismo Arterial

O paciente sempre se refere a uma história de trauma que, quando é uma contusão ou pênis perineal, pode ter ocorrido de algumas horas a alguns dias antes do surgimento do priapismo. Quando se trata de um trauma penetrante, geralmente por agulha, o priapismo é geralmente estabelecido imediatamente. Embora alguns pacientes manifestem certo desconforto associado à ereção, essa forma de priapismo geralmente é indolor e, evidentemente, não apresenta a dor isquêmica grave que caracteriza o priapismo veno-oclusivo. O pênis é geralmente encontrado em um estado incompleto de ereção (60-75%), não é doloroso ao toque e tem uma consistência elástica para a inspeção.

Independentemente da etiologia, o prognóstico depende do tempo de evolução e isso também é resultado das diferentes ações terapêuticas.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment