Endócrino

Feocromocitoma: causas, sintomas, tratamento, prognóstico

O feocromocitoma é uma condição patológica extremamente rara das glândulas supra-renais onde ocorre o desenvolvimento de tumores benignos nas células presentes no centro da glândula causando sintomas. As glândulas supra-renais estão localizadas no topo de cada rim e são responsáveis ​​pela produção de hormônios que fornecem instruções para todos os órgãos e tecidos do corpo.

Feocromocitoma, é uma condição na qual, por causa dos tumores benignos, começa a produzir hormônios que resultam em elevação da pressão arterial de forma persistente e, se essa condição não for tratada, pode causar sérios danos a outros órgãos vitais do corpo.

O feocromocitoma pode se desenvolver em qualquer idade, mas é visto principalmente em indivíduos entre a faixa etária de 20 a 50 anos. Uma vez que o feocromocitoma é diagnosticado, a melhor maneira de tratá-lo é remover cirurgicamente os tumores benignos. Uma vez que os tumores são removidos na maioria dos casos, a pressão arterial retorna ao normal.

Quais são as causas do feocromocitoma?

Não há nenhuma razão clara sobre o que causa o desenvolvimento de feocromocitoma. O feocromocitoma normalmente se desenvolve nas células especializadas da glândula adrenal, as células cromafins. Essas células estão localizadas bem no centro da glândula adrenal e são responsáveis ​​por secretar hormônios principalmente adrenalina. O hormônio adrenalina surge quando um indivíduo está sob estresse e acalma o corpo. Este hormônio resulta em um indivíduo com maiores leituras de pressão arterial e uma freqüência cardíaca rápida. Feocromocitoma causa liberação irregular e excessiva de adrenalina.

Quais são os fatores de risco para feocromocitoma?

Existem algumas condições congênitas raras que colocam um indivíduo em risco de desenvolver feocromocitoma. Estas condições médicas são:

Neoplasia Endócrina Múltipla – Tipo II: É um distúrbio no qual há desenvolvimento de tumores no sistema endócrino do corpo, incluindo a tireóide, paratireoide, lábios, língua e trato gastrointestinal.

Doença de Von Hippel-Lindau: Esta doença pode resultar no desenvolvimento de tumor no sistema nervoso central, sistema endócrino, pâncreas e rins.

Neurofibromatose-1: Esta condição resulta no desenvolvimento de tumor na pele e no nervo óptico.

Quais são os sintomas de feocromocitoma?

Alguns dos sintomas do feocromocitoma são:

  • A hipertensão persistente é um dos sintomas comuns do feocromocitoma
  • Pulsação rápida persistente
  • Suor excessivo
  • Dores de cabeça persistentes graves  também podem ser sintomas de feocromocitoma.
  • Tremores
  • Ter um rosto pálido
  • Falta de ar.

Alguns dos sintomas menos comuns de feocromocitoma são:

  • Ansiedade severa
  • Dor abdominal
  • Prisão de ventre
  • Perda de peso não intencional.

O indivíduo que sofre de sintomas de feocromocitoma apresentará sintomas em surtos episódicos que durarão de 15 a 20 minutos. Pode haver várias magias durante um período de 24 horas. Entre os episódios, a pressão arterial do indivíduo pode ou não voltar ao normal.

Como o feocromocitoma é diagnosticado?

Se houver suspeita de feocromocitoma, o médico pedirá uma série de testes para confirmar o diagnóstico. Esses testes são:

Testes laboratoriais: Isso inclui a verificação dos níveis de adrenalina no corpo:

Exame de urina: Um exame de urina também será realizado para verificar se há sinais apontando para um feocromocitoma.

Teste de sangue: Um hemograma também será feito para descartar a infecção como causa dos sintomas.

Estudos radiológicos: O médico também solicitará exames radiológicos na forma de tomografia computadorizada (TC) ou ressonância nuclear magnética (RNM) da região do abdome e da pelve se houver suspeita de feocromocitoma em exames laboratoriais. A tomografia computadorizada ou a ressonância magnética mostrará claramente a presença de tumores na glândula adrenal. Uma biópsia do tumor também pode ser feita para verificar se o tumor é benigno ou maligno.

Estes testes acima confirmam virtualmente o diagnóstico de feocromocitoma.

Qual é o tratamento para feocromocitoma?

Como dito acima, o melhor tratamento possível para o feocromocitoma é a remoção dos tumores cirurgicamente. Antes do paciente ser submetido à cirurgia para feocromocitoma, a pressão arterial do paciente é controlada com a ajuda de medicamentos para diminuir o risco de complicações intraoperatórias ou perioperatórias.

Para trazer a pressão arterial de volta ao normal, basicamente duas formas de medicamentos serão usadas. A primeira classe de medicamentos é o bloqueador alfa. Esses medicamentos impedem a estimulação dos músculos nas paredes das artérias, mantendo-os abertos para que o sangue possa fluir facilmente através deles e, assim, normalizando a pressão sangüínea. Alguns dos medicamentos desta classe são: Cardura, Minipress e Hytrin.

A segunda classe de medicamentos que podem ser usados ​​para baixar a pressão arterial de volta aos níveis normais são beta-bloqueadores que fazem o coração bater devagar e também manter os vasos e artérias abertos para que o sangue possa fluir facilmente e normalizar a pressão sanguínea. . Alguns dos exemplos desta classe de medicamentos são: Atenolol, metoprolol e propranolol. Estes medicamentos podem ser administrados por um período de uma semana a 10 dias. Uma vez que a pressão arterial tenha se normalizado, o paciente está preparado para a cirurgia de pêlo para remover os tumores e tratar o feocromocitoma.

Para o tratamento de feocromocitoma, a cirurgia pode envolver a remoção da parte da glândula supra-renal contendo o feocromocitoma na maioria dos casos. A parte restante da glândula adrenal realiza funções normalmente. Isso geralmente é feito por laparoscopia e é um procedimento minimamente invasivo. Após a conclusão bem sucedida da cirurgia e remoção do feocromocitoma a pressão arterial na maioria dos casos retorna ao normal. Em alguns casos em que a glândula adrenal já foi removida e ainda há a presença de um tumor, então, em tais casos, apenas o tumor será removido em sua totalidade.

Os tumores malignos são extremamente raros em feocromocitoma, mas se estiverem presentes, o procedimento padrão seguido para o tratamento do câncer deve ser seguido para incluir a remoção cirúrgica do tumor seguida por quimioterapia e radioterapia para o tratamento de tumores malignos de feocromocitoma.

Qual é o prognóstico do feocromocitoma?

O prognóstico do feocromocitoma é excelente, uma vez que não há complicações intraoperatórias ou perioperatórias devido à pressão arterial elevada. Chegando à taxa de recorrência, há cerca de 10% de chances de que, mesmo após uma cirurgia bem sucedida, possa haver uma recorrência de feocromocitoma.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment