Lesões do quadril

Síndrome da Dor Trocantérica Maior: Causas, Sintomas, Tratamento, Exercícios, Fisioterapia, Prognóstico

Entre os tendões e ossos em todo o corpo, pequenos sacos de fluidos chamados bursas estão presentes. Estes sacos de fluido fornecem amortecimento necessário para os tendões e protegem-nos de danos repentinos. A bolsa trocantérica é um tal saco de líquido presente na parte de trás da coxa que separa os músculos e tendões das coxas e nádegas do trocanter maior do quadril. O trocânter maior ou grande trocânter do fêmur é a parte do sistema esquelético do fêmur que é irregular na forma, com superfície grosseira, mas até certo ponto parece quadrilateral. A Síndrome da Dor Trocantérica Maior, ou GTPS, também é conhecida como Bursite Trocantérica, que é sintomizada por uma dor na superfície superior do quadril e da coxa.

Devido a qualquer lesão no trocanter maior ou nas partes adjacentes e na bursa trocantérica, pode ocorrer dor na superfície superior da coxa e do quadril, que é conhecida como Síndrome da Dor Trocantérica Maior. A principal causa da dor é a inflamação ou lesão da bursa do trocânter, razão pela qual também é chamada de bursite trocantérica. Na área adjacente do Trochanter Maior, vários outros pequenos sacos de fluido estão presentes, mas a bursa do trocânter é o maior saco de fluido nessa parte, e enfrenta o dano máximo durante uma lesão.

Pelo contrário, algumas pesquisas recentes mostram que a inflamação da bursa do trocânter não é a única causa da dor; Pequenos danos aos músculos e tendões adjacentes também contribuem para essa dor, juntamente com uma bursa trocanter inflamada. Então, hoje em dia, os especialistas chamam a condição de síndrome da dor trocantérica maior.

Sintomas da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

A seguir estão os sintomas mais conhecidos da Síndrome da Dor Trocantérica Maior –

  • Dor moderada a grave no quadril e na parte superior da coxa. A dor pode se espalhar para a área do joelho. A dor se intensifica ao caminhar, correr, carregar pesos pesados ​​e sentar de pernas cruzadas.
  • Ternura nas áreas afetadas.
  • Caminhada dolorosa ou movimentos normais também são um sintoma da Síndrome da Dor Trocantérica Maior.
  • Inchaço da área afetada, com sensação de calor.
  • Em situações severas, a área afetada pode ficar descolorida ou parecer avermelhada.

Causas da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

As principais causas da síndrome da dor trocantérica maior incluem o seguinte –

  • Queda repentina com a área do quadril voltada para o solo e o peso corporal máximo concentra-se principalmente na região do quadril e da coxa.
  • A pressão excessiva nos músculos e ossos do quadril e coxa por um longo período de tempo por muitos dias também pode causar uma maior síndrome de dor trocantérica. Esta é a principal razão da ocorrência da condição em atletas, levantadores de peso e fisiculturistas.
  • Alguns outros problemas, como osteoartrite , distúrbios da marcha e problemas na medula espinhal, também podem levar à síndrome da dor trocantérica maior.
  • Em alguns poucos casos, descobriu-se que a síndrome da dor trocantiana maior foi formada após uma cirurgia artroscópica no quadril.
  • A infecção por qualquer outro motivo, como a tuberculose, também pode causar inflamação na bursa do trocânter, levando à síndrome da dor trocantérica maior.

Epidemiologia da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

É encontrado, através de vários estudos, que a Síndrome da Dor Trocantérica Maior é comparativamente comum entre pessoas fisicamente ativas, esportistas e idosos. Também é revelado através de estudos que as mulheres adquirem essa doença mais que os homens. Quase 2 por 1000 pacientes com dores no quadril e na coxa, ou outros problemas relacionados, sofrem com a síndrome da dor trocantiana maior a cada ano em todo o mundo. Entre estes, quase 80% são do sexo feminino. Estudos não encontraram nenhuma faixa etária específica de pessoas que sofressem dessa doença. No entanto, é encontrada principalmente em pessoas de meia-idade.

Diagnóstico da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

A síndrome da dor trocantérica maior é diagnosticada através de um exame completo, compreendendo os sintomas do problema e o diagnóstico diferencial. Um especialista, a princípio, descartará as outras possibilidades da dor. Então, ele pedirá um exame físico para confirmar a causa. Normalmente, raios-X ou USG é recomendado. Se isso parecer insuficiente, o médico pode pedir ressonância magnética ou tomografia computadorizada. Ele também pode pedir um teste patológico para descartar a possibilidade de infecção na bursa do trocânter.

Tratamento e Manejo da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

O tratamento da Síndrome da Dor Trocantérica Maior inclui o seguinte –

Se a condição do paciente não melhorar muito, o médico assistente pode aconselhar a Terapia por Ondas de Choque Extracorpórea (ESWT). Na maioria dos casos, os sintomas da síndrome da dor trocantiana melhoram com estes procedimentos de tratamento. Em alguns casos raros, os sintomas podem ser refratários e indiferentes aos procedimentos tradicionais de tratamento e ESWT. Nesses casos, a intervenção cirúrgica pode ser necessária.

Importância da Fisioterapia na Síndrome da Dor Trocantérica Maior

Fisioterapia e exercício têm imensa importância no manejo da Síndrome da Dor Trocantérica Maior. Um fisioterapeuta especialista usa inúmeras ferramentas como compressas de gelo, eletroterapia, acupuntura e também aconselha o uso de ajudas temporárias para andar. Como a dor fica sob controle e o paciente se sente melhor, o fisioterapeuta vai ensinar alguns exercícios para a prática regular. Estes exercícios ou alongamentos são dados para o melhor desempenho do tensor da fáscia lata (TFL), da banda iliotibial (ITB), dos rotadores do quadril, dos flexores do quadril e do quadríceps.

Dois exercícios mais importantes e eficazes para a síndrome da dor trocantérica maior são –

  • Exercício Champshell para Síndrome da Dor Trocantérica Maior: O exercício deve ser feito da maneira abaixo mencionada:
    • O paciente precisa deitar-se de um lado com a cabeça no travesseiro e a mão no lado inferior dobrado com a cabeça apoiada na palma da mão.
    • As duas pernas permanecerão uma sobre a outra. Os pés também se tocam.
    • Nessa postura, o paciente precisa levantar a perna o máximo possível sem separar os dois pés.
    • Permaneça nessa posição o maior tempo possível e, quando estiver cansado, traga a perna para a posição normal novamente.
    • Este exercício deve ser praticado por 30 minutos, pelo menos duas vezes ao dia.
  • Exercício de ITB para Síndrome da Dor Trocantérica Maior: ITB significa Banda Iliotibial. Neste exercício, é necessário um rolo de espuma. Na ausência de um rolo de espuma, uma toalha dobrada e enrolada pode ser usada.
    • Para fazer este exercício, o paciente precisa deitar-se de um lado, colocando o rolo de espuma ou a toalha debaixo da parte inferior da coxa.
    • Descansando a parte superior do corpo ligeiramente acima do solo e esticando a parte superior da perna apenas verticalmente até a cintura, o rolo deve ser movido da área do quadril até o joelho. Este exercício pode parecer bastante difícil inicialmente. Nos estágios iniciais, não deve ser praticado por mais de 30 segundos em um trecho. Descanse entre os dois exercícios, pode ser praticado 3-4 vezes em cada sessão.

Prognóstico da Síndrome da Dor Trocantérica Maior

A maioria dos pacientes com Síndrome da Dor Trocantérica Maior responde bem aos procedimentos tradicionais de tratamento, conforme descrito acima. Com a ajuda da fisioterapia e do exercício, eles voltam à vida normal em poucos meses. Injeções de corticosteróides também desempenham um papel vital nos procedimentos de tratamento da síndrome da dor trocantu- ral maior. Estudos mostraram que, no tratamento oportuno da Síndrome da Dor Trocantérica Maior, nenhuma dor crônica ocorre na mesma parte pelos próximos 5 anos, pelo menos.

Conclusão

A Síndrome da Dor Trocantérica Maior ocorre principalmente em pessoas de meia-idade e idosos. Esta doença também é encontrada em pessoas de esportes. Devido a danos significativos no trocanter maior e na região adjacente, juntamente com alguns danos na bursa do trocânter, ocorre a Síndrome da Dor Trocantérica Maior. A maioria dos pacientes com a doença responde positivamente aos tratamentos tradicionais. No entanto, em algumas ocasiões raras, a intervenção cirúrgica pode ser inevitável. Os pacientes demoram alguns meses para voltar ao seu estilo de vida normal e começam a realizar todas as atividades anteriores sem qualquer problema.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment