Testes e Procedimentos

Cirurgia de artéria carótida é perigoso? Como evitar o estreitamento da artéria carótida?

A cirurgia da artéria carótida é um procedimento médico para remover os bloqueios das artérias carótidas para restaurar o fluxo normal de sangue rico em oxigênio para o cérebro. Esta cirurgia também é chamada de endarterectomia carotídea (CEA).

As artérias carótidas estão localizadas principalmente em ambos os lados do pescoço de uma pessoa. Estes são vasos sanguíneos especiais que fornecem sangue oxigenado para o cérebro. Quando a placa se acumula nesses vasos sanguíneos, ela cria um bloqueio, tornando o sangue incapaz de atingir o cérebro. Esta condição é chamada de doença da artéria carótida. Quando uma quantidade significativa de fluxo sangüíneo é cortada no cérebro, os pacientes se tornam suscetíveis ao derrame. Assim, a cirurgia da artéria carótida é destinada a remover esses bloqueios para um suprimento constante de sangue para o cérebro.

A cirurgia de artéria carótida é perigosa?

Cirurgia da artéria carótida é um procedimento médico de um dia para se livrar da placa nas artérias carótidas. Este é um procedimento invasivo e pode ser realizado sob anestesia local ou geral. Deve ser lembrado que a cirurgia da artéria carótida não é perigosa porque é sempre realizada por uma equipe de cirurgiões experientes e visa melhorar a qualidade de vida dos pacientes que sofrem de doença da artéria carótida.

Deve ser lembrado que todos os pacientes não são sintomáticos, mesmo que tenham algum percentual de obstrução nas artérias carótidas. Nesses casos, medicamentos e angioplastia carotídea podem ser recomendados e não uma cirurgia de artéria carótida. De acordo com a regra médica, a artéria carótida deve ser fortemente recomendada para pacientes sintomáticos com 70-99% de bloqueio presente nas artérias carótidas. Segundo os médicos, o tratamento mais eficaz para o bloqueio moderado a grave da artéria carótida é a cirurgia. Isso reduz a taxa de complicações.

Certas complicações estão lá com todos os tipos de cirurgia. O mesmo vale para a cirurgia da artéria carótida:

  • O paciente pode sentir dor ou dormência no local da ferida. Isso é normal e temporário e pode ser tratado com analgésicos.
  • O paciente pode desenvolver infecção da ferida no local da incisão. O paciente deve informar o médico nesses casos. Isso pode ser tratado com antibióticos.
  • Pode haver uma probabilidade de danos nervosos menores. Os sintomas de tais danos incluem voz rouca e sensação de fraqueza ou dormência no lado do rosto. Geralmente, esses danos são temporários e desaparecem dentro de um mês.
  • Existe uma probabilidade de re-estreitamento da artéria carótida. Em tais casos, a cirurgia pode ser necessária.

Deve-se notar que, embora insignificante, existem riscos associados à cirurgia da artéria carótida:

  • Há cerca de 2% de risco de acidente vascular cerebral em pacientes submetidos à cirurgia de artéria carótida. A probabilidade de AVC aumenta para pessoas que tiveram um episódio de AVC antes da operação.
  • Menos de 1% de risco de morte está associado à operação que pode resultar de complicações como derrame ou ataque cardíaco.
  • As probabilidades de tais riscos são muito menores e estão associadas a qualquer tipo de cirurgia. Os benefícios da cirurgia da artéria carótida são muito maiores.

Como prevenir o estreitamento da artéria carótida?

Ter uma cirurgia de artéria carótida bem sucedida não significa necessariamente que não haverá mais um bloqueio em suas artérias. A fim de evitar o estreitamento das artérias:

  • O paciente deve ter uma dieta saudável e equilibrada. Se o médico aconselhar, o paciente deve se exercitar.
  • O paciente deve se esforçar para deixar de fumar e reduzir o nível de estresse.
  • Os pacientes serão aconselhados a verificar o nível de colesterol e pressão arterial. Se o paciente é instruído a tomar remédios para isso, ele deveria.

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment