Medicamentos

Como funcionam as drogas antivirais?

Infecção viral é causada devido ao ataque de vírus, que estão presentes em vários tipos.Os sintomas da infecção viral variam muito dependendo do tipo de vírus que causa a infecção e de sua ação. O tratamento da infecção viral depende da maneira como o vírus ataca o corpo, sua disseminação e progresso. Conheça o mecanismo de ação da medicação antiviral ou como os medicamentos antivirais funcionam para entender melhor as opções de tratamento.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais os medicamentos anti-virais atuam nas infecções virais.

  1. Inibidor da Neuroamidase – Como Funciona no Tratamento da Infecção Viral?

    Infecção viral desencadeia a secreção de enzima neuroamidase pelas células infectadas. Esta enzima ajuda a liberar as partículas virais recém-formadas presas à parede celular. Assim, ajuda na multiplicação do vírus e espalha ainda mais a infecção no corpo.

    Os medicamentos antivirais que bloqueiam ou inibem a ação da neuroamidase são conhecidos como inibidores da neuroamidase. O mecanismo de ação da droga anti-viral, inibidores da neuroamidase está bloqueando a ação desta enzima. Isso impede a multiplicação e, portanto, restringe a propagação da infecção. Assim inibidores da neuroamidase também são prescritos como medicações preventivas. Os inibidores da neuroamidase mais comuns são o Zanamvir e o Oseltamivir.

  2. Como o bloqueador de células alvo trabalha no tratamento da infecção viral?

    Os bloqueadores de células alvo são os medicamentos antivirais que bloqueiam a entrada do vírus dentro das células e se ligam dentro da parede celular. O mecanismo de ação dessa medicação antiviral está diretamente nas células-alvo. Os vírus são incapazes de se multiplicar por causa da falta de aminoácidos celulares. Este grupo de medicamentos antivirais ajuda a prevenir a liberação de vírus e impede a rápida disseminação.

    Seguem-se os vários tipos de bloqueadores de células-alvo

    1. Bloqueador de Receptor de Superfície – Os medicamentos antivirais seletivos são eficazes no bloqueio da entrada do vírus nas células alvo. Esses medicamentos impedem a ligação dos receptores da superfície celular alvo. Os agentes mais comuns prescritos são anticorpos anti-ideotípicos, ligantes naturais e anticorpos anti-receptores.
    2. Inibidores de Entrada – Os medicamentos antivirais como o Fuzeon impedem a entrada do vírus no citoplasma das células-alvo.
    3. O Inibidor de Desprola�o – Amantidina e rimantadina, controla o processo de desnascamento. Estes são eficazes contra o rinovírus (resfriado comum), enterovírus (meningite, conjuntivite e encefalite). Também é eficaz contra vírus sincicial respiratório, vírus parainfluenza e adenovírus.
  3. Como funcionam os inibidores citoplasmáticos no tratamento da infecção viral?

    Os vírus se multiplicam rapidamente dentro das células, quebrando os aminoácidos nos cromossomos e sequenciando-os para formar os novos vírus. Os vírus alteram a sequência fisiológica do aminoácido intracelular e usam a cadeia de aminoácidos para formar novos vírus. O mecanismo de ação desta medicação anti-viral ou o funcionamento do inibidor citoplasmático está bloqueando a multiplicação do vírus na célula-alvo em vários estágios.

    Existem vários medicamentos antivirais inibidores citoplasmáticos que atuam em vários estágios da multiplicação viral.

    1. Inibição da Transcrição Reversa – O Aciclovir (contra o vírus do herpes) e a zidovudina (contra o vírus HIV), a Lamivudina (hepatite B), inibem e desativam enzimas que desencadeiam a síntese de RNA e DNA.
    2. Inibidores da Integrase – medicamentos antivirais inibidores da integrase bloqueiam a síntese de DNA. Os medicamentos impedem a disseminação de vírus de DNA.
    3. Inibidores do Fator de Transcrição – Os vírus que uma vez entram no citoplasma resultam em aumento da secreção do RNA mensageiro. O RNA mensageiro desencadeia a secreção do fator de transcrição. O fator de transcrição é uma molécula de proteína, que inicia a produção de RNA e DNA dentro das células-alvo. O inibidor do fator de transcrição bloqueia o fator de transcrição e previne a produção da seqüência de aminoácidos de RNA e DNA, resultando na restrição ou interrupção da multiplicação de vírus no citoplasma das células-alvo.
    4. Tradução Inibidores anti- senso – drogas antivirais ou medicamentos como calicivírus, flavivírus e coronavírus desencadeiam a secreção da molécula de DNA e RNA. Essas moléculas de RNA e DNA inibem a rápida multiplicação de vírus e são conhecidas como inibidores antisense.
  4. Como as Ribozimas Antivirais Trabalham no Tratamento de Infecções Virais?

    Os estudos recentes sugerem que algumas das ribozimas antivirais são capazes de quebrar as cadeias de RNA e DNA do vírus. A quebra do RNA viral e seqüência de DNA leva à partícula de vírus disfuncional. As ribozimas são enzimas capazes de quebrar a sequência de aminoácidos de RNA e DNA. O mecanismo de ação da preparação antiviral de ribozimas tem se mostrado eficaz contra a hepatite C e a infecção pelo HIV.

  5. Processamento de Proteína e Segmentação

    O mecanismo de ação dos medicamentos antivirais ou medicamentos também pode direcionar a proteína no vírus, controlando assim a sua multiplicação. Alguns medicamentos antivirais são direcionados para alterar a sequência de aminoácidos, uma vez que as partículas do vírus são formadas dentro do citoplasma da célula. A alteração da sequência de aminoácidos do DNA e RNA viral causa vírus inactivos ou partículas proteicas.

  6. Inibidores de Protease

    A maioria dos vírus forma protease enzimática, que reúne os aminoácidos para formar as moléculas finais de RNA ou DNA viral. Os estudos recentes sugerem que existem drogas antivirais, que podem bloquear a enzima protease, resultando em uma cadeia de aminoácidos virais disfuncional. O resultado do tratamento causa disseminação restrita da infecção.

  7. Imunidade Melhorada

    Os poucos leucócitos seletivos atacam os vírus e destroem as partículas virais. Se os vírus estão se multiplicando rapidamente e o número de glóbulos brancos ativos está em menor número, a infecção se espalha rapidamente para outros órgãos e células-alvo. Aumento da imunidade é a resistência fisiológica construída dentro de um indivíduo para proteger de qualquer infecção. O indivíduo com melhor imunidade tem um número maior de glóbulos brancos ativos que podem destruir rapidamente os vírus.

    A imunidade também melhora a eficiência dos glóbulos brancos contra as partículas do vírus. Com melhor imunidade, mais e mais glóbulos brancos são formados, que agem contra a infecção viral. Isto pode ser conseguido tratando com anticorpos. Em alguns casos, o mecanismo de ação dos medicamentos antivirais é aumentar os anticorpos e aumentar a imunidade. Anticorpos atraem glóbulos brancos, que aderem a moléculas de RNA ou DNA viral e causam a destruição de partículas virais. Adultos idosos ou crianças suscetíveis são tratados com injeção de anticorpos.Anticorpos são freqüentemente usados ​​contra hepatite B e infecção pelo vírus sincicial respiratório.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment