Mal De Parkinson

O que é um congelamento da doença de Parkinson?

Congelamento na doença de Parkinson é essencialmente um bloqueio motor que acontece de repente. O congelamento da doença de Parkinson é caracterizado por um breve momento de incapacidade para iniciar o movimento ou até mesmo continuar com movimentos repetitivos que podem ser rítmicos na natureza, como escrever, andar e assim por diante. Foi visto que o congelamento afeta principalmente a capacidade do paciente de andar. Também pode atuar como um obstáculo para o paciente abrir ou fechar os olhos. O congelamento da doença de Parkinson se desenvolve em fases posteriores da doença.

O congelamento na doença de Parkinson pode causar um efeito extremamente incapacitante para o paciente. Ela afeta a capacidade de uma pessoa andar, fazendo com que a pessoa pare como se seus pés estivessem colados ao chão. Pode ocorrer a qualquer momento e em qualquer lugar. O congelamento da doença de Parkinson resulta em quedas bastante prejudiciais e até mesmo fraturas às vezes. Sua freqüência aumenta se o paciente está sob estresse ou sofre de ansiedade.

Os pacientes com doença de Parkinson e seus cuidadores devem ser cautelosos quanto a situações como:

Caminhada súbita: Os  episódios de congelamento tendem a acontecer frequentemente quando o paciente tenta iniciar um movimento como andar de pé.

Entradas e Pontos de Turing: O  congelamento é visto como comum enquanto o paciente está caminhando pelas portas ou pontos de virada. Também pode ocorrer ao passar de um tipo de superfície para outro, como da telha ao carpete.

Multitarefas: O  congelamento pode ser acionado se o paciente tentar realizar várias tarefas durante a caminhada.

Estresse: A  ocorrência de congelamento também pode aumentar em situações estressantes ou quando uma pessoa é cercada pela multidão.

Como gerenciar o congelamento na doença de Parkinson?

O paciente com doença de Parkinson deve manter certos pontos em mente

Informe o médico:  É extremamente importante informar ao médico quando o paciente encontrar episódios de congelamento na doença de Parkinson. O médico pode ajustar o protocolo de tratamento do paciente, se necessário.

Fisioterapia:  O paciente pode perguntar ao médico sobre  fisioterapia  como técnicas em tal forma de terapia ajudam a reduzir os riscos de queda que ocorrem devido ao congelamento.

Terapia Ocupacional:  O médico pode recomendar o paciente a um terapeuta ocupacional. Ele pode ajudar pacientes com exercícios que podem ajudar a reduzir a rigidez e a imobilidade.

Como deve um cuidador gerenciar um episódio de congelamento em um paciente com doença de Parkinson?

O papel de um cuidador em ajudar pacientes com doença de Parkinson é extremamente importante

Sem pânico:  O cuidador deve tentar manter a calma em caso de um episódio de congelamento. O paciente não deve ser empurrado ou puxado durante o episódio de congelamento.

Suporte Físico:  Caso o paciente não consiga mover-se, o cuidador pode tentar colocar o pé perpendicularmente ao paciente, para que este possa passar por cima dele para apoio.

Ajuda na contagem:  O prestador de cuidados deve encorajar o paciente a tentar marchar ou contar durante o período de congelamento.

Feedback:  O prestador de cuidados deve conversar com o médico a respeito de uma terapia ocupacional ou fisioterapia.

O que lembrar sobre o congelamento na doença de Parkinson?

Pacientes e cuidadores devem estar cientes das estratégias para se preparar para o congelamento na doença de Parkinson.

  • O cuidador do paciente deve tomar cuidado para que o paciente não enfrente qualquer situação estressante.
  • Marching e goose stepping podem ajudar a controlar episódios de congelamento.
  • Durante a caminhada, o paciente pode tentar mudar o peso corporal de uma perna para outra, a fim de evitar episódios de congelamento.
  • O paciente pode tentar pisar com ritmo no chão. Isso pode evitar um episódio súbito de congelamento.
Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment