Vício E Reabilitação

Vício em Cocaína: Sinais, Sintomas, Tratamento, Efeitos na Saúde da Cocaína e sua Duração

Cocaine addiction can be defined as an innate need for an individual to administer cocaine to deal with emotional, physical, psychological or financial problems. In this case, the individual develops a physical dependence on cocaine, which is a dangerous drug. Cocaine can be defined as a recreational drug that is known to induce positivity, motivation and energy. In addiction, the drug induces a high risk of psychiatric disorders, illness and death. Cocaine has been classified by the DEA as a Table 2 drug, which is not only a powerful stimulant but also has a five percent risk of dependence right after first use. The possibility of dependence increases with each subsequent use of the drug with dependency levels of up to ninety percent.

Cocaine produces a very powerful high sensation within an individual who is quite short, and leaves the individual wanting more. This constant desire for more leads to the increase in dosage consumed within a relatively short period that ultimately makes an individual an addict.

Cocaine is an extract obtained from Erythroxylum coca bush after purification. It is the most famous of all street drugs because of its excessive demand among the elites. Consumption leaves users fatigued and depleted both mentally and physically.

Based on its physical form, cocaine is of two types: coke and crack. Coke is the powdered form that can be taken orally, dissolving in water, injecting or sniffing. The high post-consumption consumption is intense but short. On the other hand, crack is the free base form that can be consumed as an inhalable smoke that is obtained by heating. The high crack lasts only five to ten minutes, but with coke it can last from fifteen to thirty minutes.

Signs and Symptoms of Cocaine Addiction

Cocaine is addictive in its properties, exhibits significant signs and addiction-related properties. These can be classified into categories below which are:

  • Mood:  Erratic mood swings are the signs and symptoms of drug abuse that involve anxiety, restlessness, panic, euphoria, superiority, fear and irritability.
  • Psychological:  The psychological effects of cocaine include reckless and fickle behavior, paranoia,  hallucinations  , drastic personality change with violent mood swings, constant craving for drugs, loss of rationalization, and relationship problems.
  • Physical:  Cocaine use also has physiological effects on the body as an addict is likely to have symptoms of abnormal heart rate, high body temperature, high blood pressure,  headache  , dilated pupil, gangrene, muscle spasms,  strokes  ,  heart attack  , decrease in appetite, nosebleed,   runny nose  and death.
  • Behavioral:  When an individual is tall, there are certain significant behavioral characteristics that can be observed, such as talking a lot, high energy levels, erratic behavior, violence, increased alertness and decreased need for sleep; but on the contrary, when the effect wears away extreme drowsiness appears with neglect and low mental alertness with loss of concentration and focus.

Health Effects of Cocaine Addiction

The health effects of the individual suffering from cocaine drug abuse can be short term and long term.

  • Short-term Physiological Effects of Cocaine Addiction:  Short-term effects and complications due to cocaine addiction include:
    • Blood vessel constriction
    • Pupil dilation
    • Elevated body temperature
    • Increased heart rate
    • High pressure
    • Problemas de comportamento como comportamento bizarro, errático e violento, juntamente com alterações de humor.
    • Inquietação
    • Irritabilidade
    • Ansiedade
    • Pânico
    • Paranóia
    • Tremores
    • Vertigem
    • Espamos musculares
    • Ataque cardíaco
    • Arritmia
    • Dores de cabeça
    • Convulsões
    • Traços
    • Coma
    • Dor abdominal
    • Náusea
    • Morte súbita.
  • Efeitos a longo prazo do vício em cocaína: A cocaína também causa danos a vários outros órgãos do corpo. Essas complicações são:
    • Úlceras e lágrimas no revestimento gastrointestinal devido à redução do fluxo sanguíneo.
    • Perda de apetite
    • Perda de peso drástica e desnutrição
    • Dor no peito
    • Inflamação do músculo cardíaco
    • Diminuição da capacidade do coração de contrair
    • Rupturas na artéria
    • Hemorragia cerebral
    • Distúrbios do movimento
    • Mal de Parkinson
    • Foco fraco e perda de concentração
    • Memória fraca
    • Dificuldade em tomar decisões.

Como a cocaína afeta o cérebro e faz de um viciado?

A cocaína, no consumo, afeta o sistema nervoso central estimulando a secreção de dopamina. A importância da dopamina na atividade cerebral é o início de uma sensação de felicidade e de ser recompensado, o que também pode ser chamado de emoções eufóricas. No cenário normal, essas emoções são imediatamente suprimidas após a secreção de dopamina, à medida que são recicladas de volta para as células do cérebro. O consumo de cocaína dificulta esse processo, que por sua vez causa a secreção de grande quantidade de dopamina no cérebro, aumentando assim seus efeitos por um período mais longo. No entanto, este efeito dura apenas cerca de uma hora ou meia, o que leva a uma necessidade de mais drogas para sustentar o estado, tornando assim um indivíduo um viciado em cocaína.

Duração dos efeitos da dependência de cocaína

A duração do vício e da ação da cocaína depende, primeiramente, do modo de administração da cocaína. Os efeitos diferem totalmente ao fumar, cheirar ou injetar. A regra básica para a cocaína alta é que quanto maior a taxa de absorção de cocaína pelo sangue, mais rápida é a alta e mais cedo o efeito se desgasta. Em termos de período de tempo, o efeito de injetar cocaína permanece por cerca de cinco minutos, no caso de cheirar o efeito pode ficar até meia hora, em fumar o alto continua por mais de quarenta e cinco minutos enquanto o consumo oral pode ter seu efeito por mais de um hora.

Fatores Predisponentes para o Vício em Cocaína

Existem muitos fatores pelos quais um indivíduo pode se tornar um viciado em drogas que são:

  • Fatores Hereditários para o Vício da Cocaína: O hábito do abuso de drogas pode ser genético quando um pai ou um irmão é dependente de drogas.
  • Fatores biológicos predisponentes para a dependência de cocaína: Em caso de fator biológico, o indivíduo com exposição prolongada a droga tem uma química cerebral alterada com relação à dopamina que os torna um viciado.
  • Fatores psicológicos predisponentes para dependência de cocaína: fator psicológico desempenha um papel na toxicodependência quando um indivíduo está emocionalmente angustiado devido a relacionamentos, finanças ou condição física. Isso leva a um sentimento de vazio que parece ser preenchido pelo consumo de drogas.
  • Fatores Ambientais para Cociane Addiction: Um dos fatores cruciais é o meio ambiente. Enquanto indivíduos com história traumática tendem a se tornar dependentes de drogas devido ao ambiente que os cerca; outros tentam por curiosidade, pois as pessoas ao seu redor também estão fazendo isso.

Portanto, pode-se concluir que não há uma causa única para o vício da cocaína, mas uma combinação de dois ou mais predispõe a pessoa ao vício.

Tratamento do vício em cocaína

O tratamento da dependência de cocaína é abordado através de mediações comportamentais e farmacológicas.

  • Medicamentos para tratar o vício em cocaína: No momento, não há medicamentos autorizados para lidar com o vício em cocaína, mas pesquisas estão sendo conduzidas, que ainda estão em testes clínicos. Esses são:
    • Dissulfiram: O disulfiram foi estudado para inibir a conversão de dopamina em norepinefrina. Ele mostrou resultados positivos para tratar o vício em cocaína, mas não é bem-sucedido para todos.
    • Vacina contra cocaína: Esta vacina ainda está em fase inicial de testes, mas mostrou resultados significativos para estimular a imunidade inata de um indivíduo a sintetizar anticorpos específicos contra cocaína, impedindo sua absorção pelo cérebro. Não obstante semelhante ao dissulfiramo, a vacina provou ser frutífera apenas para certos genótipos.
  • Terapia Comportamental para o Vício da Cocaína: Os tratamentos comportamentais têm se mostrado extremamente eficazes no tratamento dos indivíduos dependentes através de várias técnicas de modificação de comportamento. Algumas dessas técnicas são:
    • Gerenciamento de Contingência (CT): Essa terapia também é conhecida como terapia de incentivo motivacional, na qual as recompensas são dadas em termos de regalias ou presentes, aos pacientes que evitam o consumo de cocaína ou outras drogas. Isso é feito com base em um teste de urina livre de drogas.
    • Terapia comportamental cognitiva (CBT): Esta abordagem é seguida para evitar uma recaída da condição de dependência. Nesta terapia, o paciente é ajudado a desenvolver habilidades que lhe proporcionem a capacidade de se abster de situações que possam instigar o desejo de consumir a droga por meio da autoconfiança e do mecanismo de enfrentamento com a situação existente.
    • Comunidade Terapêutica (TC): Estes também são conhecidos como centros de reabilitação, que são livres de drogas e ajudam as pessoas a se recuperarem através da modificação de comportamento e serviços de apoio, para garantir que o paciente possa assumir com sucesso sua rotina e gelar com a sociedade.

Conclusão

A cocaína, que é um estimulante realmente poderoso, ajuda o cérebro a ter emoções eufóricas, que são extremamente apreciadas pelos indivíduos que o consomem. Isso no lado ruim, perturba o funcionamento normal do cérebro, aumentando assim o tempo para sentir o alto. Esse desejo constante de manter-se em um estado elevado é chamado de vício. Embora a cocaína certamente cause dependência, mas o que não pode ser negado é que o vício acontece mais em pessoas que querem escapar da negatividade em sua vida, em comparação àquelas que apenas querem permanecer altas em prol do bom sentimento experimentado. No entanto, deve-se sempre ter em mente que as mudanças drásticas que ocorrem dentro e no entorno após o consumo de cocaína, apenas causam desejo e um desejo constante de ter mais de droga, e não restringem a negatividade, mas apenas a negligencia.

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment