Vida saudável

O que é convulsão induzida por álcool: causas, sintomas, tratamento, fisiopatologia, prevenção

O álcool , como é conhecido de todos, tem efeitos variados sobre a saúde. Um consumo regular de álcool além dos limites pode afetar a saúde geral e também pode levar a resultados com risco de vida, como danos e falhas no fígado e nos rins. Também pode causar doenças cardiovasculares. No consumo de álcool , vários mecanismos que controlam a atividade do cérebro também são afetados, o que por sua vez prolonga o efeito da intoxicação e gradualmente o cérebro se adapta à alteração nesses mecanismos. Da mesma forma, quando a ingestão de álcool é interrompida, os efeitos adaptativos passam, resultando no aumento da probabilidade de vários problemas de saúde. Apreensão induzida por álcool é uma condição que pode ser desencadeada devido ao consumo excessivo de álcool.

A apreensão induzida por álcool ocorre quando o consumo de álcool ocorre em excesso e a taxas elevadas e, subitamente, é retirado da prática. A crise induzida por álcool tende a ocorrer de doze a quarenta e oito horas após a abstinência do álcool, mas, em alguns casos, a abstenção do álcool, mesmo que por duas horas, pode resultar em convulsões induzidas pelo álcool. A convulsão induzida por álcool é comum em indivíduos que são alcoólatras há muito tempo. Pode haver uma única incidência ou um breve período de convulsões induzidas pelo álcool em um determinado período.

Sintomas de convulsões induzidas por álcool

Os sintomas comuns das convulsões induzidas pelo álcool são:

Causas da crise induzida por álcool

A causa principal da crise induzida pelo álcool é beber continuamente por um longo período de tempo, o que dificulta e perturba os neurotransmissores. A ingestão prolongada, quando seguida por uma retirada súbita, pode resultar em hiperexcitabilidade do cérebro, o que resulta em irritabilidade, agitação, tremores e convulsões induzidas pelo álcool.

Fisiopatologia das convulsões induzidas por álcool

A gravidade dos sintomas após a retirada do álcool é devido ao fato de que o álcool atua como um depressor nervoso central. A presença de álcool dentro do corpo gera comportamentos adaptativos que são:

  • Atividade aprimorada de GABA: GABA ou ácido gama-aminobutírico é um neurotransmissor que tem um comportamento inibitório. Quando o álcool está presente no corpo, torna o corpo insensível ao efeito do GABA, assim, mais níveis de aminoácidos são produzidos dentro do corpo para manter a atividade inibitória. Progressivamente, quando a tolerância ao álcool se desenvolve, o indivíduo requer mais concentração de álcool para ter o efeito de excitação desejado que, em casos normais, produz letargia, exaustão ou coma em um indivíduo. Quando o consumo de álcool é cessado, a atividade inibitória do GABA é restaurada para normal contra o comportamento adaptativo do cérebro.
  • Atividade Reduzida de Aminoácidos Excitatórios: Os aminoácidos excitatórios, como o glutamato, que se liga ao receptor N-metil-D-aspartato (NMDA), resultam em um influxo de cálcio que, por sua vez, leva à excitação neuronal. No consumo de álcool, a atividade do glutamato é inibida e níveis aumentados de glutamato são secretados para atingir o estado normal de excitação e também a excitação neuronal. Assim, quando há uma cessação no consumo de álcool, ocorre excitação excessiva e não regulada.
  • Preservação da Homeostase: A presença contínua e prolongada do álcool mantém a homeostase dentro do corpo.

Este comportamento adaptativo é dificultado devido à cessação repentina do consumo de álcool, que resulta em excesso de atividade do cérebro e do sistema nervoso central, levando à convulsão.

Como diferenciar o Transtorno Convulsivo de Convulsões Induzidas por Álcool?

Convulsões podem ser definidas como uma súbita corrida de atividade elétrica dentro do cérebro, devido à ocorrência de alterações químicas complexas nos neurônios, como resultado do início de impulsos excitatórios ou inibitórios. Isso resulta em excesso de atividade ou baixa atividade cerebral que causa um desequilíbrio da atividade excitatória e inibitória dentro do sistema nervoso central. As convulsões não são uma doença, mas marcam a presença de diferentes condições médicas que afetam principalmente o cérebro. As crises são classificadas como tônico-clônicas generalizadas, marcadas por inconsciência, convulsões e rigidez muscular; crises de ausência nas quais ocorre uma breve perda de consciência; Crises mioclônicas que envolvem movimentos isolados e bruscos; Convulsões clônicas com movimentos repetitivos e repuxantes; Convulsões atônicas em que ocorre perda de tônus ​​muscular. As convulsões induzidas pelo álcool, por outro lado, são um distúrbio convulsivo que mostra os sintomas de  convulsões tônico-clônicas generalizadas que surgem devido a uma longa história de alcoolismo prolongado.

Diagnóstico de convulsões induzidas por álcool

A presença de síndrome de abstinência de álcool e convulsões é diagnosticada através de análise completa da história médica, consumo de álcool, histórico de alcoolismo e o período total de abstinência alcoólica. O diagnóstico também inclui a verificação de abuso de drogas alternativo, se feito. O procedimento diagnóstico envolve a análise abaixo:

  • Exame físico: Um exame físico é realizado para identificar os sintomas associados ou quaisquer outras complicações, como arritmia, doença hepática, sangramento gastrointestinal, pancreatite, sistema nervoso prejudicado e doenças cardíacas.
  • Teste de sangue: O sangue é verificado para contagem completa de células do sangue, bem como os níveis de álcool e eletrólitos no sangue.
  • Teste de urina: É especificamente conduzido para determinar o uso de álcool e drogas.

Tratamento para convulsões induzidas por álcool

O tratamento da síndrome de abstinência alcoólica depende da gravidade das condições. Caso os sintomas sejam leves, o tratamento ambulatorial é adequado para um indivíduo com convulsão induzida por álcool. O tratamento ambulatorial para convulsões induzidas pelo álcool requer o apoio de familiares próximos e amigos para garantir a desintoxicação segura do paciente. Quando o paciente está grávido ou sofre de alcoolismo crônico ou não tem apoio confiável da família e dos amigos, o tratamento com internação é aceito. Em caso de internação por convulsão induzida por álcool, o foco está em três regras, que são:

  • Reduzindo os sintomas imediatos que aparecem.
  • Impedindo as chances de qualquer complicação.
  • Promover a abstinência do álcool através da terapia.

Existem vários medicamentos para verificar os sintomas decorrentes da retirada do álcool. Esses são:

  • Benzodiazepínicos para tratar a convulsão induzida por álcool: Eles controlam a ansiedade, a perplexidade e a fraqueza causada pela abstinência. Estes incluem Valium, Librium, Ativan e Serax.
  • Droga antipsicótica para tratar convulsões induzidas por álcool: estas drogas são prescritas juntamente com a benzodiazepina para ajudar no alívio de alucinações, irritabilidade e agitação.
  • Betabloqueadores: Estes são prescritos para tratar sintomas relacionados ao coração devido à retirada como frequência cardíaca elevada e pressão arterial, etc. Os medicamentos incluem Catapres e Dilantin.

Enfrentamento e mudanças no estilo de vida pós-tratamento para convulsão induzida por álcool

O tratamento de abstinência de álcool e apreensões não aborda a questão subjacente de dependência de álcool e abuso. Assim, os tratamentos e intervenções ambulatoriais devem ser tomados como medidas terapêuticas. Estes envolvem terapia comportamental cognitiva, sessões de terapia em centros de reabilitação e gerenciamento de contingência. Estes ajudam na construção de força de vontade forte para abstinência de álcool e se misturam com sucesso dentro da sociedade através de modificação de comportamento, incentivos motivacionais e serviços de apoio.

Prevenindo os sintomas futuros de abstinência de álcool

Quando a crise induzida pelo álcool é desencadeada, então após o tratamento, existem duas regras-chave para incorporar no estilo de vida, para evitar a recaída. Esses são:

  • Abstendo-se de beber em excesso
  • Evitando o abuso de álcool.

Estes ajudam na prevenção da recaída da doença, incluindo convulsões induzidas pelo álcool e, assim, prevenir futuros sintomas de abstinência também.

Conclusão

A apreensão induzida pelo álcool que surge devido à abstinência de álcool é uma consequência da abstinência de álcool por um período de mais de seis horas a setenta e duas horas para um indivíduo com um passado de alcoolismo crônico. O alcoolismo contínuo induz a química cerebral alterada, que é dificultada pela abstinência de álcool e resulta em convulsões. Essas condições tornam o indivíduo hiperexcitado e agitado. Embora existam medicamentos para verificar os sintomas que aparecem devido à retirada, mas a psicoterapia e a ajuda e apoio da família e dos amigos ajudam na recuperação, recaída e abstenção de futuros capítulos de convulsões induzidas pelo álcool.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment