Fígado

Cirrose Do Fígado: Causas, Sintomas, Diagnóstico, Tratamento, Complicações

A cirrose hepática é uma doença na qual tecidos saudáveis ​​no fígado são substituídos por tecidos cicatriciais fibrosos. A cirrose eventualmente resulta em insuficiência hepática, o que impede que o fígado funcione adequadamente. Estima-se que a cirrose hepática é a 12ª causa de morte devido a uma condição médica. Neste artigo, vamos ler em detalhes sobre as várias causas, sintomas e tratamento dos tratamentos, e se há alguma maneira de prevenir a Cirrose do Fígado.

  • Funções do fígado
    • Síntese proteica – A cirrose causa uma baixa síntese proteica.
      • Baixa albumina Diminui a pressão osmótica no sangue.
      • Baixa Globulina Enfraquece o sistema imunológico.
      • Baixo fator de coagulação – Coagulação anormal.
    • Excesso de gestão de nutrientes – O armazenamento de nutrientes é reduzido na cirrose.
    • Síntese biliar – A deficiência biliar provoca absorção inadequada de vitamina A e D, bem como a absorção de gordura, proteína e carboidratos é comprometida.
    • Armazenamento de Glicogênio – A cirrose hepática tem menos células funcionais, portanto, o armazenamento de glicogênio é menos eficiente.
    • Metabolismo – Metabolismo ineficiente de medicamentos e substâncias tóxicas resulta em encefalopatia.
  • Condição de estágio final de várias doenças hepáticas – Cirrose é basicamente uma complicação de numerosas doenças do fígado, que é caracterizada por função anormal e estrutura do fígado.
  • Cicatriz do Tecido Hepático 1 – As condições médicas que causam a Cirrose basicamente mata as células saudáveis ​​do fígado, após o que a inflamação e o reparo associados às células mortas do fígado resultam na formação de tecido cicatricial.
  • O tecido fibroso substitui o tecido hepático normal – O tecido hepático normal é substituído por tecido fibroso. 2
  • Nódulo Regenerativo – O fígado após a cirrose consiste em nódulos regenerativos, que são vistos como áreas elevadas irregulares sobre a superfície do fígado. 3

Causas da cirrose do fígado

  • Infecções Virais Crônicas-
    • A inflamação do fígado após infecção viral da hepatite B e C resulta em cirrose em 20 a 30% dos pacientes. 1
    • Infecção hepática causa dano hepático lento ao longo de vários anos.
    • A infecção por hepatite C é a segunda causa mais comum de cirrose hepática.
  • Bloqueio do ducto biliar – O ducto biliar comum ou o bloqueio do ducto hepático pela pedra biliar ou secundário à atresia biliar causa a retenção de bile no fígado. A coleta prolongada de bile no tecido hepático provoca danos ao fígado, o que resulta em cirrose.
  • Hepatite Autoimune – A hiperatividade autoimune causa lesões imunológicas no tecido hepático, o que resulta em hepatite. 4 A inflamação repetida causa cicatrização repetida do tecido hepático e termina em cirrose.
  • Fígado Gorduroso – O fígado gordo é freqüentemente visto em pacientes obesos ou com histórico de diabetes. O fígado gordo é doença reversível, se ignorado, pode resultar em cirrose. 5
  • Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC) – A insuficiência cardíaca provoca a coleta de líquido no fígado. Episódios repetidos de insuficiência cardíaca causam retenção repetida de líquidos no fígado e aumento do fígado. A expansão repetida do sistema venoso provoca lesões das células hepáticas circundantes, que se curam formando fibrose e tecido cicatricial.
  • Cirrose Hepática Alcoólica 6 –
    • A cirrose alcoólica se desenvolve em 10 a 20% dos pacientes alcoolistas.
    • O álcool é metabolizado em acetaldeído, o que prejudica as células do fígado.
    • O álcool também causa doença hepática inflamatória ou hepatite.
    • O consumo persistente de álcool causa danos repetidos ao fígado, resultando em cirrose.
  • Fibrose Cística – A fibrose cística é observada em bebês e crianças pequenas. Um sintoma persistente em 10 a 20% dos pacientes está associado à cirrose hepática.
  • Doenças do Armazenamento de Glicogênio – A doença do armazenamento de glicogênio causa depósitos aumentados de glicogênio no tecido do fígado, que segue a inflamação e a cicatrização. A doença de armazenamento de glicogênio é reversível.
  • Doença de Wilson – Aumento do teor de cobre no fígado causa lesões de células hepáticas circundantes.
  • Toxicidade hepática – Fármacos e produtos químicos tóxicos hepáticos causam danos ao tecido hepático. O efeito tóxico prolongado resulta em danos no fígado e cirrose.

Sintomas de cirrose hepática

Sintomas não específicos da cirrose hepática

  • Perda de apetite
  • Fadiga e fraqueza generalizada
  • Perda de peso
  • Febre

Sintomas específicos de cirrose hepática

  • Dor-
    • Quadrante superior direito, dor leve a intensa.
  • Olhos
    • Descoloração amarela
  • Pele-
    • Fácil contusões
    • Prurido – comichão
    • Icterícia
  • Sistema nervoso central
    • Mudanças de personalidade
    • Confusão
    • Coma
  • Retenção de fluidos-
    • Edema e inchaço das extremidades inferiores
  • Fígado-
    • Dor durante a palpação e percussão sobre o fígado
    • Hepatomegalia- Fígado aumentado
  • Sistema esqueletico-
    • Osteoporose – secundária à deficiência de cálcio causada pela deficiência de vitamina lipossolúvel, como a vitamina D e E.
  • Sistema gastrointestinal-
    • Varizes esofágicas 7

Diagnóstico De Cirrose Do Fígado

Achados Específicos Durante o Exame Clínico

  • Fígado aumentado e irregular
  • Urina amarela
  • Fezes-Pale e pode mostrar sangue nas fezes
  • Icterícia

Estudos de laboratório para diagnosticar a cirrose hepática

Exame de urina

  • Cor amarela
  • Bilirrubina – presente

Exame de fezes-

  • Fezes-Pale e pode mostrar sangue nas fezes

Exame de sangue

  • Hemograma completo-
    • Trombocitopenia – Baixa contagem de plaquetas observada na cirrose alcoólica devido à supressão da medula óssea pelo álcool.
  • Enzimas hepáticas – SGOT e SGPT elevados
  • Fosfatase Alcalina – Elevada.
  • Colesterol – elevado
  • Bilirrubina – Elevada
  • Sangue (soro) Albumina – Diminuição.
  • Anticorpos anti-mitocondriais são elevados se a causa da cirrose for doença auto-imune.
  • Imunoglobulina não específica – Elevada

Estudos radiológicos para diagnosticar a cirrose do fígado:

  • Exame de ultrassonografia
    • Mostra a superfície do fígado nodular
    • Lobo caudado
    • Fissuras no fígado
  • Ressonância magnética
    • As modificações da cirrose observam-se.
    • Atresia biliar (estreitamento do ducto biliar) – é visto.
  • Tomografia computadorizada
    • As modificações da cirrose observam-se.
  • Contrast Colangiografia
    • O fluxo de corante é examinado do fígado para o intestino. Teste de diagnóstico para estenose ou atrofia do ducto biliar.

Endoscopia-

  • Varizes esofágicas são vistas na extremidade inferior do esôfago.
  • Colangite esclerosante primária – estreitamento ou atrofia do ducto biliar é observado após o exame de CPRE.

Biópsia hepática

  • Estudo patológico de diagnóstico.

Tratamento para cirrose hepática

  • Abstinência do álcool – descontinuar o consumo de álcool
  • Doença Autoimune Causando Cirrose
    • Corticosteróides – prednisolona
    • Ciclofosfamida
    • Azatioprina
  • Infecção viral-
    • Medicamentos antivirais
  • Retenção de fluidos-
    • Diuréticos
    • Redução do consumo de sal
    • Ingestão de água equilibrada
  • Terapia Quelante
    • Doença de Wilson – Indicada quando a cirrose é causada pela retenção de cobre no fígado
    • Penicilamina
  • Suplemento vitamínico
    • As vitaminas A e D são frequentemente inadequadamente absorvidas no intestino e resultam em deficiência.
    • Suplemento de vitamina A e D é recomendado.
  • Transplante de Fígado 8 –
    • Quando todos os outros tratamentos falham, o paciente é considerado para o transplante de fígado.

Complicações da cirrose hepática

  • Infecção do trato respiratório
  • Peritonite
  • Ascites 8
  • Encefalopatia 8
  • Varizes esofágicas 7
  • Carcinoma hepatocelular
Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment