Você pode obter hepatite do leite materno?

Nos últimos anos, tem havido uma ênfase notável na promoção e apoio geral à amamentação por diferentes instituições e organizações em todo o mundo. Isso se deve a vários estudos que demonstraram a grande importância do leite humano na nutrição infantil.

O leite materno tem um efeito protetor conhecido em relação às doenças infecciosas.

No entanto, a pandemia da AIDS permitiu verificar que o vírus é transmitido pelo leite humano; uma série de controvérsias foi desencadeada sobre isso, outros agentes infecciosos e o papel da amamentação.

Sem dúvida, o leite humano é o alimento ideal para o ser humano nos primeiros meses de vida. Não é apenas um produto natural, mas econômico e bioquimicamente equilibrado de acordo com as necessidades da criança em seus diferentes estágios de crescimento, um papel indispensável na prevenção de doenças e alergias. A produção de agentes antimicrobianos, anti-inflamatórios e imunomoduladores é limitada no recém-nascido como parte do processo geral de maturação. Assim, por exemplo, a produção de IgA secretora no lactente começa aos 4 meses e está totalmente estabelecida aos 12 meses; o repertório completo de anticorpos foi obtido aos 24 meses e as células T de memória aos 2 anos.

A classe dos pais da mãe está em um momento crucial.

Os conceitos de “circulação enteromamática” e “passagem bronco-mamária” explicam a transmissão da IgA secretora da mãe para a criança por meio da lactação, nos centros linfóides nos brônquios, bem como nas placas de Peyer no intestino, o antígeno é exposta às células B IgM produtoras e, quando estimuladas, são transformadas em células plasmáticas produtoras de IgA. A IgA é transportada da circulação da glândula mamária para os ácinos da glândula mamária, e daí a criança a recebe. Este recebe 0,5 a 1 grama de IgA diário secretora contra patógenos como: E. coli, Shigella, Salmonella, Clostridium difficile, Rotavírus, Citomegalovírus (CMV), Poliovírus, Giardia e Candida albicans.

Existem agentes antiinflamatórios, contidos no leite materno, como a acetil-hidrolase, enzima que degrada o fator de agregação plaquetária, ao qual é atribuída função protetora na enterocolite da prematuridade. O fator de crescimento epitelial que está relacionado à recuperação precoce na doença diarréica aguda; e muitos outros fatores imunomoduladores, como citocinas que ativam as células T e aumentam a produção de IgA, b-casomorfinas e prolactina. Todos contribuem para o efeito protetor do leite materno.

Aleitamento materno e tuberculose

A tuberculose ativa contraindica a amamentação devido à possibilidade de transmitir a doença ao lactente por partículas de secreção respiratória.
Portanto, a amamentação deve ser suspensa na fase contagiosa e depois retomada, ou a mãe deve receber uma máscara especial que impeça a disseminação da micobactéria e proteja a criança.

Aleitamento materno e citomegalovírus

O CMV pode ser excretado intermitentemente no leite humano. Devido à transmissão passiva de anticorpos maternos, geralmente não há doença no neonato. No entanto, o risco de doença sintomática aumenta em crianças de mães soronegativas que sofrem soroconversão durante a lactação, e em prematuros com baixas concentrações de anticorpos maternos adquiridos transplacentariamente.

Amamentação e HIV

A transmissão do vírus da imunodeficiência humana no leite materno tem sido demonstrada, principalmente em mulheres que o adquirem no período pós-parto.

Aleitamento materno e hepatite B

Estudos indicam que não há aumento significativo no risco de infecção em crianças amamentadas por mães HBsAG positivas, especialmente se imunoglobulina e vacina anti-hepatite B são aplicadas.

Aleitamento materno e hepatite C

Em relação ao vírus da hepatite C, há discrepância quanto à sua transmissão pelo leite materno. O vírus pode estar presente na saliva em até 36% dos portadores. Embora uma transmissão de 5% seja relatada perinatal, o RNA não foi isolado no leite humano na maioria dos estudos.

Conclusão

A estimulação do aleitamento materno deve continuar, mas também é essencial apoiar o estudo dos riscos e limitações que os processos infecciosos implicam para a amamentação, para poder orientar adequadamente cada mãe de forma individualizada. Não há evidências suficientes que sugiram que um recém-nascido possa ter hepatite através do leite materno.

Leia também:

Especialista em Dor at | 425-968-1599 | [email protected]

Eu sou o Dr. Ruby Crowder e sou especialista em medicina pulmonar e cuidados intensivos. Eu me formei na Universidade da Califórnia, em San Francisco. Eu trabalho no Hospital Geral de São Francisco e Centro de Trauma de Zuckerberg. Eu também sou professor associado de medicina na Universidade da Califórnia, em San Francisco.

Eu pesquisei a epidemiologia e o manejo da tuberculose em países de alta incidência e publiquei muitos remédios e artigos relacionados à saúde sobre o Exenin e em outras revistas médicas.

Finalmente, gosto de viajar, mergulhar e andar de mochila.

Leave a Comment